Burlas

Tribunal condena "Dona Branca de Valbom" a pena suspensa


 

Lusa / AO online   Nacional   14 de Jul de 2010, 18:18

O Tribunal de Gondomar condenou esta quarta-feira a ex-bancária Jesuína Neves, a “dona Branca de Valbom”, a cinco anos de pena suspensa por ludibriar o BCP e 174 clientes do banco, há oito anos, em cerca de dez milhões de euros.
O juiz presidente considerou reunidas as provas suficientes para condenar a arguida pela prática de um crime continuado de burla qualificada.

O co-arguido João Moreno, um empresário que era beneficiário directo do esquema, foi condenado pela prática do mesmo crime a quatro anos e meio de cadeia, pena também suspensa.

Jesuína Neves e João Moreno foram ainda condenados a pagar um total de 245.233 euros a vários lesados.

Um terceiro arguido, José António Machado, sócio de João Moreno, foi ilibado.

Na fixação da pena, o presidente do colectivo de juízes sublinhou várias circunstâncias atenuantes, nomeadamente o facto de parte dos lesados já terem sido ressarcidos e a constatação de que os arguidos não pretendiam apropriar-se em definitivo do dinheiro, apenas resolver problemas pontuais da empresa de João Moreno.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.