Taxa de ocupação da hotelaria aumenta para 79,33% em julho

Taxa de ocupação da hotelaria aumenta para 79,33% em julho

 

Lusa/AO Online   Economia   22 de Set de 2015, 13:01

A taxa de ocupação da hotelaria em Portugal aumentou 2,75 pontos percentuais, para 79,33%, em julho face ao período homólogo, tendo o preço médio por quarto disponível subido 17,28%, para 70,24 euros, revelam hoje dados do AHP Tourism Monitor.

 

De acordo com a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), a taxa de ocupação subiu em todas as categorias, mas particularmente nas unidades de cinco estrelas, onde a variação foi de 6,33 pontos percentuais (p.p.) face a 2014.

Os destinos turísticos com a taxa de ocupação por quarto mais elevada foram a Madeira (89,93%), o Algarve (84,84%), os Açores (84,22%) e o Grande Porto (82,50%), enquanto Lisboa registou uma descida homóloga de 2,12 p.p. em julho, para 82%.

Já o preço médio por quarto ocupado na hotelaria nacional subiu 13,21%, para 88,54 euros, e o preço médio por quarto disponível (RevPar) aumentou 17,28%, atingindo 70,24 euros.

Segundo a AHP, os destinos turísticos com o RevPar mais elevado foram o Algarve (103,58 euros), Estoril/Sintra (85,63 euros) e Lisboa (70,99 euros).

No que respeita à receita média por turista no hotel, foi de 115 euros em julho (mais 8,49% do que em 2014), sendo que a estadia média foi de 2,01 dias, valor inferior em 0,99% ao período homólogo.

Estes dados resultam numa receita total por quarto disponível (TrevPar) de 97,23 euros em julho, um aumento de 15,60% em comparação com o mesmo mês de 2014.

Para a presidente executiva da AHP, Cristina Siza Vieira, nos dados de julho há a destacar a “excelente performance comparada” do Alentejo, destino que irá receber o 27.º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo e que se destacou como a região que registou “a maior variação homóloga no preço médio por quarto ocupado em comparação com julho de 2014, com mais 43,62%”.

Salientando que esta evolução levou a uma subida homóloga de 31,83% no RevPar, a responsável nota que, “em termos absolutos, o RevPar é muito baixo porque a taxa de ocupação (55,32%), apesar de crescer sustentadamente, ainda está muito aquém das reais potencialidades da oferta deste destino”, mas destaca: “O Alentejo está no bom caminho”.

Desenvolvidos pela AHP desde 2004, os Tourism Monitor permitem medir a ‘performance’ dos estabelecimentos hoteleiros no tempo e em função da sua localização e categoria, recolhendo a informação referente aos hotéis – que representam 55% do total dos empreendimentos turísticos em Portugal e 64% dos quartos – e os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) e do Turismo de Portugal relativos a toda a oferta de alojamento turístico.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.