Sucessos de Amália Rodrigues em edição especial


 

Lusa/AO   Nacional   24 de Dez de 2007, 09:23

A parceria Som Livre/Valentim de Carvalho edita esta semana uma caixa de quatro CD com 56 fados de sucesso de Amália Rodrigues, numa edição especial.
A caixa é acompanhada de várias fotos da fadista, falecida a 06 de Outubro de 1999, além das letras de cada um dos fados e textos explicartivos.

    Desde os seus temas mais antigos como "Carmencita" (Frederico de Brito/Pedro Rodrigues) a temas que foram recuperados mais tarde como "Medo" (Reinaldo Ferreira/Alain Oulman), passando por temas tão conhecidos como "Caracóis" (Popular).

    Todos os 56 fados são anotados por Jorge Mourinha que os contextualiza na época e no percurso artístico de Amália Rodrigues, além de serem referenciadas as datas de gravação, os acompanhantes e técnico de som, sempre que possível.

    Referindo-se, por exemplo a "Casa portuguesa" (Reinaldo Ferreira/Gustavo de Matos Sequeira/Artur Fonseca), Mourinha afirma que foi "um dos temas mais queridos do público".

    A caixa regista a gravação feita em 1953 tendo Amália no espaço de dois anos realizado três gravações para várias afiliadas do grupo EMI.

    Nesta gravação Amália é acompanhada por Jaime Santos (guitarra portuguesa) e Santos Moreira (viola).

    As gravações mais antigas datam de 1952, entre elas "Foi Deus" (Alberto Janes) e a mais recente de 1985, "Há festa na Mouraria" (Gabriel de Oliveira/Alfredo Marceneiro), mas todas as décadas da sua carreira de mais de 50 anos estão assinaladas.

    A caixa inclui algumas gravações de Amália no estúdio de Abbey Road ("Malmequer pequenino" (Ricardo Borges de Sousa) ou no da Costa do Castelo ("Povo que lavas no rio" (Pedro Homem de Mello/Joaquim Campos) ou ainda actuações ao vivo no Olympia e no Bobbino em Paris ("Amália" (José Galhardo/Frederico Valério).

    Os fados percorrem todos os músicos com que Amália cantou desde Raul Nery a Jorge Fernando, passando por Santos Moreira, Domingos Camarinha, Fontes Rocha, Carlos Gonçalves, Castro Moura ou Pedro Leal.

    Quanto aos poetas, a caixa inclui fados de Luís de Camões ("Dura memória"), Alexandre O'Neil ("Gaivota") ou David Mourão-Ferreira ("Libertação/Fado Penhiche"), entre outros, nomeadamente de sua autoria como "Estranha forma de vida" e "Lágrima".

    Refira-se que a Som Livre planeava editar um álbum de inéditos da fadista até ao final deste ano.

    "Há ainda um outro álbum inédito de Amália e muitos temas que não conheceram a luz do dia. Como se sabe, Amália gostava de gravar e gravou muito, por isso ainda há muitas coisas suas desconhecidas e que estão agora a ser encontradas", disse à Lusa, em Junho, José Serrão, director-geral da Som Livre.

    Amália Rodrigues foi das primeiras artistas a internacionalizar a música portuguesa tendo sido aplaudida nos diferentes continentes.

    O editor David Ferreira disse à Lusa que "os portugueses ainda hoje não têm a percepção da grandeza da sua carreira internacional".

    Entre as várias distinções que recebeu como o Diapasão de Ouro para a Melhor cantora Ligeira da Mundo, a criadora de "Primavera" (David Mourão-Ferreira/Pedro Rodrigues) foi distinguida três vezes com o Prémio MIDEM.

    Amália Rodrigues, 79 anos, morreu repentinamente a 06 de Outubro de 1999 na sua casa em Lisboa.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.