Liga Zon Sagres

Sporting de "meio tempo" vence Académica em Coimbra

Sporting de "meio tempo" vence Académica em Coimbra

 

Lusa/AO online   Futebol   13 de Nov de 2010, 21:44

O Sporting venceu a Académica por 2-1, em jogo da 11ª jornada da Liga Zon Sagres, disputado em Coimbra
O Sporting venceu a Académica por 2-1, em jogo da 11ª jornada da Liga Zon Sagres, graças a uma primeira de bom nível, na qual os golos de Valdés e Vukcevic seguraram um triunfo tirado a ferros.

A Académica voltou a alinhar com o habitual “onze” do campeonato (dez novos jogadores), ao contrário do da passada quarta feira para a Taça da Liga, em que Orlando foi o único “titular” numa equipa de segunda linha, que acabou por ser eliminada pelo Arouca, da Liga de Honra, na marcação de grandes penalidades (2-4).

Na formação “leonina”, após a penosa derrota caseira por 3-2 frente ao Vitória de Guimarães, o técnico Paulo Sérgio trocou o central Torsiglieri pelo regressado Polga e fez entrar o espanhol Zapater para o posto do castigado Maniche.

O Sporting entrou à “leão”, a carregar sobre os “estudantes” e a manobra ofensiva deu frutos bem cedo: Nuno Coelho carregou Valdés na pequena área e o árbitro não hesitou em assinalar grande penalidade que o próprio chileno se encarregou de transformara, para de inaugurar o marcador, aos nove minutos.

Motivados pelo golo, cinco minutos depois, numa perdida de bola de Hélder Cabral no meio campo contrário, os “verde e brancos” poderiam ter ampliado o marcador, se Vukcevic não se tivesse deslumbrado frente a Peiser, “preferindo” ajeitar a bola, em vez de rematar de primeira, lançando por cima da barra.

A partir daí, a “Briosa” parecia querer equilibrar as operações, mas recebeu um golpe nas suas intenções, aos 32 minutos, quando o avançado montenegrino, que falhara minutos atrás, não perdoou, finalizando uma jogada de triangulação com Postiga e Valdés.

Depois do intervalo, a equipa da casa regressou com outra disposição e, no minuto inicial, reduziu através do seu melhor marcador, Miguel Fidalgo, que nem sequer precisou de saltar para cabecear para o fundo das redes de Rui Patrício, a centro de Diogo Valente.

A toada manteve-se durante toda a segunda metade, com Orlando a falhar aos 50 minutos e o próprio Miguel Fidalgo a deslumbrar-se minutos depois, isolado frente a Rui Patrício, atirando por cima.

Face a um Sporting muito mais intranquilo, o mesmo protagonista poderia ter empatado a partida, se tivesse aproveitado o passe magistral de Hélder Cabral.

Até ao final, Orlando teve na sua cabeça a “chance” do empate, mas “teimou” sempre em falhar, numa saga perdulária, até ser substituído por Sissoko, aos 80.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.