Sono é essencial para aprender, ter boas ideias e equilibrar emoções

Sono é essencial para aprender, ter boas ideias e equilibrar emoções

 

Lusa/AO online   Nacional   9 de Out de 2012, 16:20

A redução do número de horas de sono diário pode afetar a capacidade de aprendizagem, a reação perante as emoções e a capacidade de ter ideias inovadoras, alertou esta terça-feira em Lisboa um investigador de neurociências.

O investigador de neurociências da Universidade da Califórnia Matt Walker, que participou num seminário sobre o cérebro, promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian e a decorrer até terça-feira em Lisboa, chamou a atenção para o "pouco sono" de muitas sociedades atuais, recorrendo a automedicação ou a outras formas mais "tradicionais" como a cafeína.

 

Matt Walker deu o exemplo do crescimento acentuado do número de estabelecimentos de uma cadeia norte-americana especializada em café e não só nos EUA, mas em todo o mundo, nomeadamente Portugal.

 

"Em todas as espécies o sono parece estar sempre presente, em todas as fases da vida e da evolução", salientou Matt Walker.

 

O especialista apresentou a uma vasta audiência o resultado de algumas das experiências desenvolvidas pela sua equipa para analisar as consequências da falta de sono, de algumas horas por noite, à totalidade do descanso, recordando que as "diretas" são comuns entre alguns grupos, como os estudantes.

 

"O sono é essencial para preparar o cérebro para aprender coisas novas e para reforçar a memória", mas também para relacionar e integrar informações inicialmente dispersas e chegar a ideias inovadoras, a propostas criativas para problemas, referiu o investigador.

 

"É como se fossemos dormir com várias peças de um puzzle na nossa cabeça e acordamos com o puzzle feito", resumiu.

 

Numa das suas experiências, Matt Walker concluiu que há uma diferença de 40% na capacidade de aprendizagem de um grupo de estudantes que dormiu oito horas e outro grupo que não dormiu uma noite.

 

Durante as horas em que se dorme, o cérebro adquire novamente o equilíbrio necessário para lidar com emoções e memórias, com especial incidência nas negativas.

 

"Quando temos uma boa noite de sono, há equilíbrio entre as memórias positivas e negativas, se não dormimos bem, as memórias negativas prevalecem e acordamos a achar que temos uma vida desgraçada", frisou.

 

O psiquiatra e neurocientista João Bessa apontou que as perturbações do sono são um elemento comum de grande parte das doenças mentais ou psicóticas ou, ao contrário, o sono "é essencial para o bem estar mental".

 

No entanto, reconheceu que, nas perturbações psicóticas, "não se sabe" o que vem primeiro: as perturbações do sono ou as doenças.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.