Política

Sócrates assegura que apoiaria Lula da Silva à frente da ONU

Sócrates assegura que apoiaria Lula da Silva à frente da ONU

 

Lusa/AO online   Internacional   16 de Mai de 2010, 22:33

O primeiro ministro de Portugal, José Sócrates, afirmou hoje que apoiaria uma eventual candidatura do Presidente do Brasil, Lula da Silva, ao cargo de secretário geral da ONU.

“Estaria na primeira fila desse apoio. Temos apoiado, em primeiro lugar, o Brasil no Conselho de Segurança da ONU, como membro permanente”, afirmou Sócrates, em entrevista publicada pelo jornal Folha de São Paulo. “O Presidente Lula é uma grande figura da política mundial. Não sou apenas seu admirador e seu amigo, como tenho certeza de que ele é jovem demais para se retirar da política. Tenho certeza de que ele desempenharia muito bem qualquer cargo internacional”, salientou. “Lula tem um capital político tão importante no mundo que seria um grande desperdício não o aproveitar. Não deixarei de insistir com ele para que não se retire da política ativa ao nível mundial”, afirmou. José Sócrates, que se encontrará na quarta feira com Lula da Silva, em Lisboa, defendeu uma reforma da ONU para que “suas instituições representem o mundo que existe e não o de 50, 60 anos atrás”. “O Presidente Lula mostrou ao mundo que a esquerda no Brasil pode governar e pode governar com responsabilidade. O trabalho que ele fez foi absolutamente notável, quer do ponto de vista da afirmação do Brasil como uma grande potência política e económica”, disse. O primeiro ministro português salientou que a “afirmação do Brasil no mundo nos últimos anos é de enorme importância para Portugal”. “Se há uma questão estratégica que mudou para Portugal nos últimos anos é a ascensão do Brasil. E cada vez que o Brasil sobe de posição no concerto das nações, no quadro internacional, Portugal vai atrás”, disse. O primeiro ministro afirmou que há muitos líderes europeus que pedem ajuda de Portugal para resolver problemas com o Brasil. José Sócrates revelou que estará no Brasil, no fim deste mês, para discutir o futuro de Lula da Silva, ao lado do ex-Presidente português Jorge Sampaio e do primeiro ministro espanhol, José Luís Zapatero. O líder português afirmou igualmente acreditar que "a melhor resposta ao crescimento económico é o mercado”. “Quero um país competitivo e moderno, mas com justiça social e igualdade. O que diferencia hoje as duas grandes famílias políticas, esquerda e direita? É o encaminhamento da igualdade. E, para isso, o Estado tem uma tarefa, como aliás teve na última crise”, salientou. “Muitos de nós que desvalorizaram a ação do Estado só se lembraram do Estado nessa última crise, em que foi preciso a ação do Estado para conter aquilo que foi a desregulação completa dos mercados financeiros”, disse. José Sócrates sublinhou que o “político, socialista ou não, tem de lidar com a realidade e responder à realidade” e que “o mais importante para a esquerda é que seja realista”. “Toda aquela esquerda que achou que devia comportar-se apenas com retórica e idealismo fracassou. Isso não serviu a ninguém, muito menos para os que precisam da esquerda para melhorarem suas condições de vida”, afirmou.  A entrevista de José Sócrates ao diário Folha de São Paulo será exibida hoje à noite no programa “É Notícia”, da emissora brasileira Rede TV.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.