Sindicato afirma que evacuações médicas aéreas nos Açores "não estão garantidas"

Sindicato afirma que evacuações médicas aéreas nos Açores "não estão garantidas"

 

Lusa/Açoriano Oriental   Regional   26 de Abr de 2017, 18:27

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC) alertou que as evacuações médicas aéreas "não estão garantidas" em todas as ilhas dos Açores porque a SATA Gestão de Aeródromos (SGA) não possui um sistema de prevenção.

A direção do SINTAC, liderada por Filipe Rocha, explicou, em comunicado enviado às redações, que para se realizar uma evacuação médica aérea de uma ilha onde não existem todos os serviços e valências médicas necessárias, “é posta em funcionamento uma equipa multidisciplinar”.

Esta equipa inclui o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, que coordena a operação, a equipa médica do centro de saúde de origem, que acompanha o doente durante a viagem, a do hospital para onde vai ser transportado o doente, os bombeiros que efetuam o transporte terrestre, a tripulação da aeronave que efetua o transporte aéreo e os trabalhadores dos aeroportos de origem e destino que possibilitam a operação da aeronave.

“Estas pessoas todas têm que estar prontas a qualquer hora do dia ou da noite para que a evacuação seja realizada com segurança e de forma expedita, pois, disso depende, muitas vezes, a vida de alguém. Todas estas entidades têm períodos de prevenção em que existem trabalhadores prontos a executar a sua função. Todas, exceto a SATA Gestão de Aeródromos”, refere a estrutura sindical.

O sindicato explicou que desde que a SGA foi criada, em 2005, que as evacuações médicas são garantidas “apenas pela boa vontade dos seus trabalhadores em atender o seu telemóvel pessoal e de se deslocarem ao aeroporto a qualquer hora e em qualquer dia”.

“Não há qualquer regime de prevenção instituído, nem qualquer escala de prevenção que obrigue os trabalhadores a manterem-se contactáveis fora das horas de serviço para possibilitar as evacuações médicas”, declarou a direção do SINTAP.

De acordo com a estrutura sindical, pode acontecer que, “no limite, nenhum dos trabalhadores da SGA esteja contactável e em condições de garantir a abertura do aeródromo, provocando a impossibilidade da operação da aeronave por não estarem reunidas as condições de segurança, colocando-se a vida do doente em risco”.

“O regime de prevenção não está implementado por falta de vontade da SATA. Os trabalhadores analisaram uma proposta apresentada pela empresa, discutiram-na e contrapropuseram com uma que, mesmo ficando muito aquém das reivindicações dos trabalhadores, garante a operacionalidade dos aeródromos em qualquer circunstância”, afirma-se no comunicado.

A direção sindical considerou que esta situação “já se arrasta há demasiado tempo”, acrescentando que “já foram tomadas ações para que esta seja resolvida mas, até agora, não há resposta da SATA”.

O porta-voz do da transportadora aérea açoriana, António Portugal, afirmou à agência Lusa que o “assunto está a ser devidamente equacionado” e que a SATA Aeródromos tomará uma posição “tão depressa quanto possível” sobre esta matéria e consequentes reivindicações do sindicato.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.