Simulacro permite detetar falhas a colmatar em situação real (vídeo)

Carregando o video...

 

Ana Carvalho Melo   Regional   24 de Out de 2014, 16:52

O Serviço Municipal de Proteção Civil de Ponta Delgada testou de quinta-feira os planos de emergência interna e externa da Sociedade Açoreana de Armazenagem de Gás (SAAGA), num simulacro que permitiu detetar falhas a corrigir de forma a garantir o sucesso da sua intervenção numa situação real.



“O balanço é positivo”, afirmou o presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada no final do exercício, frisando que na avaliação autocrítica deste simulacro foram apontados alguns pontos em que o exercício “não correu na perfeição”.

Entre os aspetos a aperfeiçoar, José Manuel Bolieiro salientou as comunicações entre entidades como 112, bombeiros e Suporte Imediato de Vida (SIV); a criação de um sistema de mensagens mais eficaz; a diminuição do número de pessoas no Centro de Operações de Emergência (COE); a criação de um espaço mais reservado para as entidades que fazem mais comunicações externas; a criação de um quadro onde cada entidade possa fazer marcações pertinentes ao comando geral; a instalação de um relógio para, ao segundo, se sinalizarem as intervenções.

Já entre os pontos que contribuíram para o sucesso desta operação o autarca referiu: a mobilização total das entidades envolvidas; a prontidão na sua reação e a disponibilização total das diversas instituições para este exercício do simulacro.

Na ocasião, o presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada lembrou ainda que existem em Santa Clara “vários focos de risco”, dada a concentração de empresas de armazenagem de combustível. “O  Serviço Municipal de Proteção Civil vai agora procurar ter em sua posse os planos de segurança das  instituições vizinhas, de modo a pôr em prática com mais facilidade os planos de ação caso seja necessário ”, afirmou, salientando que é intenção do seu executivo calendarizar um  conjunto de simulacros “com o objetivo de aperfeiçoar e até observar criticamente” os vários planos de emergência.

O simulacro de quinta-feira pretendeu testar a resposta a uma situação de emergência associada a uma falha de contenção de butano no parque GPL na Nordela. Com esse objetivo foram acionados os planos de emergência interna e externa da SAAGA, o que envolveu meios e entidades internas e externas à empresa.

O exercício teve início às 15h32, quando foi emitido um alerta geral. Pelas 15h34 os bombeiros voluntários de Ponta Delgada saíram do quartel, tendo chegado ao local pelas 15h40.

Iniciou-se nesta altura também a evacuação da SAAGA e dos estabelecimentos circundantes, sendo que pelas 15h59 estavam todos os funcionários das empresas e as crianças da Creche Associação Bem Estar Infantil de Santa Clara no ponto de reunião.

Entretanto, às 15h38, as várias entidades foram convocadas para se apresentarem no Centro de Operações de Emergência, sendo que dois minutos depois davam entrada os primeiros elementos.

Nas instalações da SAAGA o incêndio, fruto de uma rutura parcial de uma tubagem, ficou extinto pelas 16h07.  

Pelas 16h31 observou-se a desmobilização total dos meios.

Durante este período registaram-se ainda dois sinistrados. O primeiro, um colaborador da SAAGA que se encontrava no local e ficou ferido com queimaduras, que deu entrada no Hospital Divino Espírito Santo em Ponta Delgada às 15h58. O segundo sinistrado devido a um acidente durante a evacuação deu entrada no hospital às 16h40.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.