Sete candidatos disputam maior município dos Açores

Sete candidatos disputam maior município dos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   11 de Set de 2017, 10:00

Sete candidatos disputam nas eleições autárquicas de 01 de outubro a liderança do município de Ponta Delgada, o maior dos Açores e tradicionalmente social-democrata.


Em 11 eleições autárquicas livres, o PSD presidiu quase sempre à câmara, com exceção do mandato 1989-1993, em que socialistas em coligação com o CDS-PP ‘tiraram’ a autarquia aos social-democratas.

No sufrágio de 1989, esta coligação obteve quatro dos sete mandatos, tendo os restantes três sido atribuídos ao PSD.

Quatro anos antes, em 1985, os socialistas registaram a mais pesada derrota numa candidatura ao município de Ponta Delgada (12,7% dos votos), ficando atrás do Partido Renovador Democrático, que, como o PS, conquistou um mandato nesse ato eleitoral.

Quer antes, quer depois das eleições de 1989, os social-democratas alcançaram sempre a maioria, que querem repetir a 01 de outubro, apresentando de novo aos eleitores José Manuel Bolieiro.

O cabeça de lista do PSD, maior partido na oposição no arquipélago, justificou a recandidatura com o “sentido de missão cívica e por espírito de serviço”, apontando os resultados alcançados, a vários níveis, no concelho, para concluir que estes “não se podem desperdiçar”.

Já o PS, partido que governa o arquipélago, aposta no ex-secretário regional dos Transportes e Obras Públicas Vítor Fraga que, após tomar posse em novembro de 2016, anunciou a saída do Governo dos Açores oito meses depois.

“Ponta Delgada merece ser um concelho de referência a nível regional e nacional. Não nos basta ser o maior concelho, nem ter a maior cidade do arquipélago”, afirmou à agência Lusa Vítor Fraga, que se apresenta na qualidade de independente.

Nestas eleições, o CDS-PP, terceiro partido mais votado nas eleições legislativas regionais de 2016, vai a votos coligado com o PPM, apresentando Bruna Almeida, militante centrista e gestora comercial.

“Apresentamos uma boa alternativa com uma equipa jovem e responsável e há que dar oportunidade aos jovens de representar o seu concelho e os cidadãos”, disse a candidata.

Para este sufrágio, o PPM já tinha avançado com o nome de Rui Matos para cabeça de lista à câmara, transitando, agora, para a liderança da lista CDS-PP/PPM à assembleia municipal.

O Bloco de Esquerda repete a candidatura de Kol de Carvalho, independente que avança como uma “missão de cidadania” e perante a necessidade de intervir com “certa urgência no concelho”.

A CDU (PCP/PEV) apresenta o professor Rui Teixeira, admitindo também existir na sua candidatura “um aspeto de responsabilidade pessoal, de participação cívica e política que cada cidadão deve assumir”.

Nestas eleições, em que as atenções estão centradas na disputa PSD-PS, há mais dois candidatos que são, ao mesmo tempo, duas estreias partidárias em Ponta Delgada: Pedro Neves, do PAN -Pessoas-Animais-Natureza, e José Azevedo, do Livre.

Pedro Neves mostrou-se convicto de que existe “uma simpatia crescente em relação às casas que o partido defende” e que “não são faladas pelos outros partidos”, o que considera uma mais-valia.

Já José Azevedo, que entrou na política para esta salvar o ambiente, lamentou que, na generalidade, aquela não dê respostas a esta área, pelo que deseja colocar a temática ambiental no centro de debate político-partidário.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.