Robot Curiosity enviou primeiros sinais antes da aterragem em Marte

Robot Curiosity enviou primeiros sinais antes da aterragem em Marte

 

Lusa/AO Online   Internacional   6 de Ago de 2012, 08:54

O robot Curiosity enviou os primeiros sinais pouco antes de reentrar na atmosfera do planeta Marte e da aterragem em solo marciano prevista para as 05:31 TMG (06:31 em Lisboa), anunciaram as equipas da NASA na Califórnia.

"Nós recebemos sinais, parece estar a correr bem", declarou um membro da missão de controlo, no Jet Propulsion Laboratory (JPL) de Pasadena, no Estado norte-americano da Califórnia.

A Agência Espacial Norte-Americana investiu 2,5 mil milhões de dólares no Curiosity.

Lançado a 26 de novembro de 2011 do Cabo Canaveral, na Florida, o robot de seis rodas Curiosity é o maior e o mais perfeito engenho de exploração alguma vez enviado para outro planeta.

Mas a sua aterragem é também a mais difícil de todas aquelas com que a NASA já se confrontou, porque o Curiosity é demasiado pesado para que o impacto seja amortecido por sacos com ar. Por isso, os engenheiros conceberam uma espécie de "grua" com foguetões na retaguarda que susterá o robot com a ajuda de cordas de nylon nos últimos segundos da descida.

Antes disso, a nave conhecerá sete minutos de descida vertiginosa durante os quais a velocidade passará de 21.243 quilómetros por hora para 2,74 quilómetros por hora.

Um imenso paraquedas supersónico de 21 metros de diâmetro abrir-se-á logo após a largada do escudo térmico, para travar a nave abaixo da velocidade do som.

Durante esse momento crítico, duas sondas da NASA em órbita à volta de Marte, bem como uma sonda europeia, estarão à escuta de sinais do Curiosity e transmitirão os seus dados aos cientistas reunidos em Pasadena.

"Se formos bem-sucedidos, este será um dos maiores feitos da história da exploração espacial", afirmou hoje Doug McCuistion, diretor do programa de exploração de Marte na NASA.

Sublinhou, no entanto, que pousar o Curiosity em Marte "é muito difícil" e que "o fracasso é possível", recordando que só 40 por cento das tentativas passadas de enviar naves a Marte foram coroadas de êxito.

"Um fracasso seria um revés, mas não um desastre", acrescentou, afirmando que a NASA aprenderia com os seus erros e continuaria a ir em frente.

As condições meteorológicas mantêm-se boas na região da cratera de Gale, onde deve pousar o Curiosity. Uma tempestade de poeira identificada há alguns dias dissipou-se, dando lugar a uma "nuvem de poeira bastante benigna", precisou no sábado Ashwin Vasavada, um dos cientistas que lideram o projeto.

Se o Curiosity conseguir aterrar sem problemas, levará a cabo uma missão de dois anos em Marte. Alimentado por um gerador nuclear, tentará descobrir se o ambiente marciano foi propício ao desenvolvimento da vida microbiana.

Para tal, o robot possui numerosas ferramentas, entre as quais um mastro com câmaras de alta definição e um laser para estudar alvos até sete metros.

Outros instrumentos analisarão o ambiente para aí procurar moléculas de metano, um gás frequentemente ligado à presença de vida, já detetada em Marte em várias ocasiões por uma sonda norte-americana em órbita. O robot poderá também furar o solo para fazer recolha de amostras e analisá-las.

Segundo com McCuistion, a missão Curiosity é "absolutamente crucial" para determinar se os terrestres estão sozinhos no universo, como Marte se transformou em planeta árido e preparar o eventual envio de seres humanos para o planeta vermelho.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.