Ricardo Salgado prestou caução de 3 milhões de euros por transferência bancária

Ricardo Salgado prestou caução de 3 milhões de euros por transferência bancária

 

Lusa/AO Online   Economia   6 de Ago de 2014, 08:29

Ricardo Salgado prestou hoje, por transferência bancária, a caução de três milhões de euros a que foi sujeito no processo Monte Branco, disse à Lusa fonte ligada ao ex-presidente executivo do Banco Espírito Santo (BES).

 

A caução foi imposta a Ricardo Salgado pelo juiz Carlos Alexandre, do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), depois de ter sido detido para interrogatório judicial na qualidade de arguido e indiciado pela "alegada prática de crimes de burla, abuso de confiança, falsificação e branqueamento de capitais".

A 24 de julho passado, Ricardo Salgado foi interrogado durante todo o dia pelo juiz Carlos Alexandre, depois de detido logo de manhã no âmbito da "Operação Monte Branco", que investiga a maior rede de branqueamento de capitais em Portugal.

Francisco Proença de Carvalho, advogado de Ricardo Salgado, disse então, à saída do TCIC, que o seu constituinte "colaborou com a justiça, prestou a sua visão sobre os factos e assim continuará".

Num comunicado divulgado na altura, a Procuradoria-Geral da República (PGR) informou que, de acordo com a promoção do Ministério Público, foram aplicadas ao arguido as medidas de coação de "sujeição a caução, no montante de três milhões de euros, proibição de ausência do território nacional e proibição de contactos com determinadas pessoas".

A nota acrescentava que Ricardo Salgado manifestou o "propósito de prestar declarações e de colaborar com a justiça para o esclarecimento dos factos".

A PGR esclareceu ainda que, no âmbito do processo Monte Branco, "foram identificados movimentos financeiros" que, numa primeira fase, levaram à inquirição como testemunha de Ricardo Salgado.

"Após essa audição prosseguiram diligências de investigação com a cooperação da Autoridade Tributária e Aduaneira, designadamente com a obtenção de elementos de prova por via da cooperação judiciária internacional, tendo sido recolhidos novos indícios que justificaram um conjunto de diligências de busca" que foram levadas a cabo na véspera, 23 de julho, explicava a PGR no comunicado.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.