PSD/Açores quer salvaguarda de rede de balcões e postos de trabalho

PSD/Açores quer salvaguarda de rede de balcões e postos de trabalho

 

Lusa/AO Online   Regional   5 de Jan de 2016, 12:34

O líder do PSD/Açores apontou hoje a necessidade de salvaguardar a atual rede de balcões que o Banif, adquirido pelo Santander Totta, possui na região, bem como todos os postos de trabalho.

“Subsistem ainda algumas preocupações relativas à presença do anterior Banif em todas as ilhas e concelhos dos Açores. Havia uma presença de proximidade muito relevante. Esta é uma matéria que teremos que seguir com atenção, como a questão dos trabalhadores”, afirmou Duarte Freitas aos jornalistas.

O presidente dos social-democratas açorianos, que se reuniu esta manhã com os dirigentes da seção dos Açores do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas, em Ponta Delgada, congratula-se com o facto de ter sido salvaguardada a posição dos clientes e depositantes na transição para o banco espanhol, declarando que um terço da atividade bancária dos Açores era assegurado pelo banco de origem madeirense.

Duarte Freitas está ainda preocupado com a “presença histórica” que o ex-Banif detém na diáspora açoriana, designadamente nos Estados Unidos da América, Canadá a Bermudas, referindo que existe uma “confiança que não pode ser ferida”.

O dirigente social-democrata considerou ser fundamental a criação de uma comissão de inquérito para apurar o que realmente se passou, a par de uma auditoria externa.

O responsável afirmou que os deputados açorianos na Assembleia da República viabilizaram a solução encontrada para o Banif com a sua abstenção, mas sem deixar de afirmar que “é importante aprofundar” e “conferir todos os contornos” do que se passou.

Duarte Freitas pretende que o património do Banif que existe em termos históricos, económicos e sociais, bem como do anterior Banco Comercial dos Açores (entretanto adquirido pelo banco do Funchal), se possa manter.

Antero Quental, da seção dos Açores do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas, afirmou ter sido “agradavelmente surpreendido” com o facto de, na sequência da reunião da estrutura sindical nacional com os recursos humanos do anterior Banif, ter ficado assegurado que todos os trabalhadores da região seriam integrados, tal como o fundo de pensões, no Santander Totta.

Já havia a informação de que os trabalhadores da rede comercial do anterior Banif tinham os seus postos de trabalho assegurados, segundo o sindicalista, persistindo uma preocupação acrescida em relação aos 32 trabalhadores que efetuavam, e continuam a efetuar, serviços de retaguarda de contabilidade, de auditoria, faturação e outros serviços.

Antero Quental manifestou a sua preocupação em relação ao destino que será dado ao fundo de pensões do Banif, apesar de este ser integrado no Santander Totta, admitindo que venham a haver reestruturações nos balcões do banco nos Açores.

A rede de balcões nos Açores do Banif contempla cerca de 230 funcionários, de acordo com Antero Quental.

A 20 de dezembro, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif, com a venda de parte da atividade bancária ao Santander Totta, por 150 milhões de euros, e a transferência de outros ativos - incluindo ‘tóxicos' - para a nova sociedade veículo Naviget.

O Banif - Banco Internacional do Funchal (que estava em processo de reestruturação desde 2012) é o sétimo maior grupo bancário português e líder de mercado nos Açores e na Madeira.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.