PS explica com “equívoco” recusa em PSP receber deputados do PSD na Graciosa

PS explica com “equívoco” recusa em PSP receber deputados do PSD na Graciosa

 

Lusa/AO online   Regional   13 de Dez de 2017, 10:05

O PS justificou hoje com um equívoco a recusa de um comandante da PSP da ilha Graciosa, nos Açores, em autorizar a visita de um grupo de deputados do PSD a uma esquadra, no início do mês.


A explicação foi dada, na Comissão de Assuntos Constitucionais, no parlamento, pelo deputado do PS Filipe Neto Brandão para explicar que “não se justifica” o ministro da Administração Interna ir à comissão “dar esta explicação”.

A queixa e o pedido de audição de Eduardo Cabrita foi feito pela deputada do PSD Berta Cabral que, segundo Neto Brandão, já recebeu as explicações do comandante regional da PSP sobre este incidente, ocorrido em 04 de dezembro.

A votação do requerimento do PSD, para a audição do ministro Eduardo Cabrita, foi adiada para a próxima reunião, ficando dependente quer da confirmação das explicações dadas a Berta Cabral quer de outro pedido feito pela bancada social-democrata.

Luís Marques Guedes pediu que o presidente da comissão, Bacelar de Vasconcelos, contacte o Ministério da Administração Interna sugerindo que seja feita uma comunicação quer à PSP quer à GNR para que sejam evitadas estas situações no futuro.

“O Governo não pode lavar as mãos”, afirmou o deputado Marques Guedes, para quem se não fosse “um equívoco” teria sido “grave” este episódio, dado que os deputados têm todo o direito a visitar as instalações, por exemplo, da PSP ou da GNR, desde que oportunamente agendadas.

Segundo Filipe Neto Brandão, tratou-se de um equivoco “na transmissão das ordens” pela via hierárquica e o comandante da esquadra fez “uma interpretação errada” do que lhe foi dito.

O pedido de audição do ministro tinha sido feito, a 04 de dezembro, pelo PSD depois de um grupo de deputados eleitos pelos Açores ter impedido de visitar uma esquadra na ilha da Graciosa.

A deputada e vice-presidente da bancada Berta Cabral explicou, então, à Lusa que os parlamentares do PSD eleitos pelo círculo dos Açores estavam em visita oficial à ilha, tendo, na sua agenda, prevista uma reunião de trabalho com o comandante e chefe da esquadra da PSP da ilha e uma visita às instalações.

Para a deputada do PSD, esta recusa de visita “é intolerável” e configura uma espécie de “lei da rolha”.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.