Produtores das Sete Cidades "em risco" devido a aumento de rendas

Produtores das Sete Cidades "em risco" devido a aumento de rendas

 

Lusa/AO online   Regional   10 de Nov de 2014, 13:53

Os 32 produtores de leite das Sete Cidades "estão em risco" devido ao aumento das rendas das terras e denúncia dos contratos, disse a presidente da freguesia, que aguarda o agendamento de uma reunião com os proprietários.

 

“Acho que não há nada que não se possa fazer para tentar chegar a um acordo", afirmou Cidália Pavão, em declarações à agência Lusa, acrescentando que ligou a "um dos herdeiros" e pediu-lhe "uma reunião", aguardando neste momento que ele "diga alguma coisa”.

A presidente da junta de freguesia revelou que ”90% da população das Sete Cidades tem pedaços de terra dos herdeiros de Caetano Andrade de Albuquerque”.

Segundo a RTP/Açores, que noticiou pela primeira vez este caso, a população das Sete Cidades está a receber cartas dos herdeiros de Caetano Andrade de Albuquerque a exigir o aumento das rendas e, noutros casos, a denunciar os contratos de arrendamento dos terrenos, o que gerou uma onda de preocupação generalizada entre os habitantes da freguesia.

As Sete Cidades, freguesia do concelho de Ponta Delgada onde moram 853 pessoas, são uma das principais imagens turísticas dos Açores devido à beleza das suas lagoas, sendo que a grande maioria dos terrenos onde foram construídas casas ou instaladas explorações agrícolas pertencem aos herdeiros de uma única família.

Cidália Pavão referiu que a Junta de Freguesia por si só não tem nenhuma responsabilidade neste assunto, mas dado os pedidos de ajuda que tem recebido por parte da população, contratou o advogado Noé Rodrigues, antigo secretário regional da Agricultura, para prestar esclarecimentos, numa sessão agendada para terça-feira, pelas 20:00 locais, na sede da Casa do Povo das Sete Cidades.

A presidente da junta revelou, ainda, que o Governo Regional já manifestou interesse no caso e tem mantido contactos com a autarquia para tentar ajudar, o que considerou ser um sinal de que estão "todos a remar para o mesmo lado”.

“Tenho casais que me andam a ligar porque não conseguem dormir e não sabem o que fazer. São situações muito chatas. Há pessoas que fizeram investimentos há dois ou três anos e que agora os têm de pagar de uma maneira ou de outra”, disse Cidália Pavão, lembrando que a maioria da população na freguesia vive da agricultura e não tem outras fontes de rendimento para conseguir suportar os aumentos de rendas pedidos.

Segundo disse, as cartas enviadas recentemente estão assinadas pelo procurador dos herdeiros de Caetano Andrade de Albuquerque, detêm a maioria das terras na freguesia.

A presidente da junta de freguesia revelou que nas Sete Cidades existem, atualmente, 32 produtores de leite, que estão “todos em risco”, uma vez que os terrenos onde têm as vacas não são seus e muitos receberam pedidos de denúncia dos contratos de arrendamento, que em muitos casos passaram de geração em geração.

“O que se vai fazer com toda esta população?” perguntou Cidália Pavão, que acredita, porém, num desfecho positivo para todos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.