Prevista concentração de alunos em duas escolas

Prevista concentração de alunos em duas escolas

 

Paula Gouveia   Regional   15 de Ago de 2010, 14:38

A EB1/JI de Santana- Feteira Pequena é a quinta escola do concelho do Nordeste a encerrar nos últimos anos.
São agora sete as escolas do 1º ciclo e jardins de infância de portas abertas, mas está em discussão, no Conselho Local de Educação, a concentração em apenas duas escolas - uma no Nordeste e outra na Achada - dos alunos em idade pré-escolar ou de frequentar o 1º ciclo.

A ideia não é consensual, adianta Victor Lima, presidente em exercício da Câmara Municipal de Nordeste. Muitos encarregados de educação e as próprias populações e presidentes de Junta de Freguesia opõem-se ao encerramento das escolas e à ideia de concentração do pré-escolar e do 1ºciclo em apenas dois estabelecimentos de ensino.

Luís Lima, presidente da Associação de Pais da Escola Básica e Secundária do Nordeste, explica que “grande parte dos pais não está de acordo”. “Os pais gostariam que os filhos tivessem a escola à porta de casa, na sua freguesia”, diz o representante dos encarregados de educação. Contudo, a associação considera que há vantagens na concentração das crianças, pois deste modo, afirma Luís Lima, ficam asseguradas melhores condições materiais e pedagógicas.

Há, no entanto, sustenta o presidente da associação de pais, necessidade de garantir a qualidade do transporte das crianças (ver caixa).

Neste momento, crianças a partir dos três anos têm de usar o transporte público (ligação de autocarro entre Ponta Delgada e Nordeste), sendo que apenas é assegurado o seu acompanhamento por uma auxiliar. Os pais, afirma Luís Lima, defendem por isso que deveria ser criado transporte escolar (exclusivo para o transporte de crianças entre as suas freguesias e a escola). E, apostar depois de garantidas melhores condições aos alunos, num trabalho de sensibilização dos pais para as vantagens da deslocação das crianças.

A Escola de São Pedro Nordestinho é uma das escolas que estava indicada para encerrar já este ano lectivo. Só não se tornou realidade a pretensão da tutela, transmitida aos pais numa reunião convocada pelo Conselho Executivo da Escola Básica e Secundária do Nordeste, porque, explica Ernesto Ferreira, fizeram “finca-pé”.

Os alunos da escola de São Pedro - entre os quais estão crianças da localidade vizinha de Santo António, cuja escola já havia encerrado há alguns anos - deveriam ir, a partir de Setembro, para a escola de Lomba da Fazenda, mas os encarregados de educação e a própria Junta de Freguesia opuseram-se, argumentando que a escola alternativa está já sobrelotada e reclamando do próprio transporte que é assegurado nestes casos.

Quanto à ideia de concentrar os alunos em apenas duas escolas, nem quer ouvir falar, pois na sua opinião não faz sentido alunos com mais de três anos terem de se sujeitar a ir, logo cedo, para a outra ponta do concelho. “É uma política má!”, diz o presidente da Junta de Freguesia que considera que a motivação do Governo é poupar.

Franco Andrade, presidente da Junta de Freguesia de Santana, não se conforma com a decisão de encerrar a escola de Santana e não a de Algarvia, como era intenção da tutela. A escola de Santana tinha mais alunos do que a escola de Algarvia, no entanto ficou decidido, numa reunião entre o conselho executivo e os encarregados de educação, que seria a de Santana a fechar portas, tendo em conta que o edifício na Algarvia oferecia melhores condições.

Ora, perante isto, Franco Andrade lembra que ainda no ano passado houve obras na escola e que a escola de Algarvia tem apenas a vantagem de ter mais salas e defende que a escola deveria ter-se mantido aberta enquanto houvesse crianças suficientes. Mas, como adiantou também o autarca local, o discurso do conselho executivo já estava preparado para que os pais aceitassem.

É a segunda escola que a freguesia de Santana vê encerrar - há alguns anos já havia fechado a escola de Feteira Grande, onde agora funciona um ATL e Centro de Informática. A freguesia perde dinamismo, afirma o presidente de Junta de Freguesia.

Miguel Leite, da Pedreira, outra localidade que perdeu nos últimos anos a sua escola, diz que “a freguesia ficou de luto”. Situado no centro da freguesia, o estabelecimento escolar é agora sede de escuteiros e local de ensaios da Orquestra Ligeira de Nordeste. Mas, onde outrora, se ouviam as crianças a brincar no recreio, reina agora o silêncio.

Leia esta notícia na íntegra no jornal Açoriano Oriental de domingo,
Dia 15 de Agosto de 2010


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.