Precipitação que caiu em Lisboa corresponde a valores normais de aviso amarelo


 

Lusa/AO online   Nacional   22 de Set de 2014, 18:32

Os valores de precipitação acumulada em Lisboa entre as 13:00 e as 15:00 de hoje enquadram-se dentro dos limites de referência para uma situação de aviso amarelo, revelou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

 

De acordo com valores provisórios revelados pelo IPMA, o valor de precipitação mais elevado foi registado na estação meteorológica na Gago Coutinho, em Lisboa, com uma precipitação de 18.7 milímetros (correspondente à queda de 18,7 litros por metro quadrado).

No Instituto Geofísico a precipitação acumulada neste período de duas horas foi de 13.2 milímetros, nas Amoreiras de 8.0 milímetros e na Amadora de 7.0 milímetros.

Estes valores, de acordo com o IPMA, “enquadram-se no limiar do aviso meteorológico amarelo”.

Fonte do instituto acrescentou que estes valores correspondem aos locais de medição mais significativos do IPMA, em Lisboa, mas, “tendo em conta a análise de imagens de radar, é provável que noutros locais da cidade de Lisboa os valores de precipitação possam ter sido mais elevados”.

“Estes valores de precipitação deveram-se à formação de sistemas convectivos de forte atividades em regiões localizadas, traduzindo-se numa distribuição irregular da precipitação, em particular na região da grande Lisboa e o mesmo acontecendo noutras regiões do território”, disse à Lusa o meteorologista Nuno Moreira.

O IPMA tinha emitido hoje um aviso amarelo de precipitação válido entre as 08:00 e as 21:00 para 17 distritos do continente, mas, tendo em conta a evolução da situação meteorológica, elevou à tarde para o nível laranja os avisos meteorológicos de precipitação referente aos distritos de Leiria, Santarém, Lisboa, Setúbal e Évora até às 22:00 de hoje.

O aviso laranja é o segundo mais grave numa escala de quatro, a que se segue o amarelo, o terceiro mais grave.

“Prevê-se a continuação de ocorrência de aguaceiros no continente durante o resto da semana, com desagravamento gradual das condições de instabilidade”, acrescentou.

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.