PPM e PS trocam acusações sobre proposta de prevenção da droga

PPM e PS trocam acusações sobre proposta de prevenção da droga

 

Lusa/AO online   Regional   30 de Nov de 2017, 14:00

PS e PPM trocaram hoje acusações a propósito de uma proposta de prevenção e combate ao consumo de droga nas escolas, com o socialista André Bradford a acusar o deputado único monárquico, Paulo Estêvão, de demagogia e populismo.


A discussão foi desencadeada na votação da especialidade do Plano e Orçamento regionais para 2018, na Assembleia Legislativa, na Horta, ilha do Faial, Açores, na sequência da apresentação de uma proposta do PPM para a criação de uma nova ação, de meio milhão de euros, para um programa regional de prevenção e combate ao consumo de estupefacientes em ambiente escolar.

Paulo Estêvão esclareceu que a iniciativa surge por considerar que não está a ser feito o que deveria ser feito face a um “flagelo que está a aumentar”.

“É necessário aumentar o combate ao consumo de drogas, implementar um plano ambicioso”, defendeu o deputado do PPM.

O líder parlamentar do PS, André Bradford, contrapôs que Paulo Estêvão “não propõe um plano”, mas antes dinheiro, sendo que “seria responsável vir aqui apresentar um plano”, mas “pôr 500 mil euros em cima do problema não é um plano”.

Paulo Estêvão retorquiu que “o que é irresponsável é virar a cara para o lado a este problema” e não dar “a prioridade que tem de ser dada”, e deu exemplo de medidas para esse plano, como ações de formação nas escolas, contratação de vigilantes para o espaço escolar ou iniciativas de sensibilização dos jovens.

André Bradford replicou: “Eu não consigo atingir nem metade do grau de populismo e de demagogia do sr. deputado Paulo Estêvão”.

O deputado monárquico classificou as palavras do socialista de insulto e explicou a sua exaltação: “Tenho de estar exaltado com esta questão, vejo o problema a agravar-se e a não fazer-se nada, isso não tem nada a ver com populismo e demagogia”.

“De quem ontem tratou esta bancada como sendo um conjunto de porcos, vindo de quem ontem fez metáforas animais com a tradição política e com as personagens que encararam o passado político do PS, sentir-se ofendido por ser considerado demagogo e populista, está tudo dito, os açorianos já perceberam onde é que cada um se posiciona e o que cada um é capaz de fazer para ter razão política”, respondeu André Bradford, referindo-se à intervenção final do deputado do PPM que na quarta-feira, socorrendo-se do livro “O Triunfo dos Porcos”, criticou o regime socialista.

Paulo Estêvão pediu a André Bradford para não ofender os deputados e os membros do Governo Regional, porque “têm a preparação intelectual e cultural para terem percebido a alegoria e não têm a interpretação que vossa excelência aqui tentou transmitir”.

“Aliás, sabe perfeitamente que não é essa interpretação, porque também lhe reconheço essa capacidade cultural”, salientou.

Por seu turno, Artur Lima, do CDS-PP, considerou que a direção regional que tutela esta área “está no sentido inverso ao das drogas”, defendendo a necessidade de haver dinheiro para combater este “flagelo que existe nas escolas dos Açores”, enquanto o deputado do PSD Carlos Ferreira destacou que se trata de um problema que "tem de ser combatido de forma intensa e eficaz” por quem tem essa responsabilidade e pela sociedade.

O secretário regional da Saúde, Rui Luís, lembrou que o parlamento regional aprovou a realização de um estudo, proposta pelo BE, sobre este fenómeno, na sequência do qual haverá “um plano concreto de ação”.

Rui Luís referiu-se ainda ao discurso na assembleia, onde elencou um conjunto de ações nesta área e esclareceu que foi iniciado este ano um programa no 1.º ciclo que incluiu a formação de 100 professores.

“Temos verba no programa próprio (…). Estamos a agir”, garantiu

A proposta do PPM foi chumbada pelo PS. PSD, CDS-PP e BE votaram ao lado do PPM.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.