Portugal vai defender oceanos e apoio aos estados frágeis na cimeira do desenvolvimento

Portugal vai defender oceanos e apoio aos estados frágeis na cimeira do desenvolvimento

 

Lusa/AO Online   Nacional   24 de Set de 2015, 10:28

Portugal vai defender nas Nações Unidas, na cimeira sobre a Agenda do Desenvolvimento Pós-2015, a gestão sustentável dos oceanos e o apoio aos estados mais frágeis, disse fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

 

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros de Portugal chefia a comitiva portuguesa ao encontro, cujos trabalhos têm início sexta-feira. Os países da ONU vão aprovar um conjunto de metas de desenvolvimento – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) - que sucedem aos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM).

Segundo fonte oficial do MNE português, Machete irá insistir em temas como “paz, segurança e boa governação, com destaque para os Estados Frágeis”, mas também na “gestão e utilização sustentável dos oceanos”, dois dos objetivos que constam no documento final da cimeira.

Na elaboração dos objetivos da Agenda do Desenvolvimento Pós-2015, Portugal foi um dos promotores da “integração de uma forte dimensão dos Direitos Humanos e de combate às desigualdades, com particular atenção para as questões da igualdade entre géneros e erradicação de todas as formas de violência contra as mulheres e raparigas”, acrescentou a mesma fonte.

“A partilha de responsabilidades, entre atores públicos e privados e países desenvolvidos, emergentes e em desenvolvimento, muito além da tradicional abordagem Norte/Sul” e a “mobilização equilibrada de meios financeiros, que vão além da ajuda pública ao desenvolvimento (APD)” foram outras das prioridades da agenda portuguesa no debate interno na ONU.

Aos “países com menor capacidade na implementação da futura agenda pós-2015”, será necessário dar uma “particular atenção”, com apoios adicionais.

A cimeira conta com intervenções do secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, mas também do Papa Francisco que, recentemente, divulgou uma encíclica sobre questões ambientais.

A cimeira deverá adotar um conjunto de 17 Objetivos de Desenvolvimento e mais de 100 metas globais, de entre as quais o objetivo primeiro é “acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares”, com a meta de “erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com menos de 1,25 dólares (1,11 euros) por dia, até 2030”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.