Portugal sentiu o primeiro impacto laboral nos Açores

Portugal sentiu o primeiro impacto laboral nos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   17 de Abr de 2015, 06:17

O vice-primeiro-minsistro, Paulo Portas, afirmou que, na quarta-feira, Portugal sentiu o primeiro impacto laboral nos Açores, devido à decisão dos Estados Unidos de reduzir a sua presença na Base das Lajes.

 

"Ontem [quarta-feira] não foi um dos melhores momentos das nossas relações bilaterais, porque tivemos os primeiros efeitos laborais nos Açores", disse Paulo Portas, no jantar anual dos vencedores da 3.ª edição dos “Amcham Tibutes” concedidos pela Câmara do Comércio Americana.

O governante disse que os dois países têm de se "comprometer a agir, a ultrapassar os efeitos negativos económicos e sociais nos Açores”.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros chamou na quarta-feira o embaixador dos Estados Unidos em Lisboa para falar sobre a intenção norte-americana de dar início ao processo de redução de postos de trabalho na base açoriana das Lajes.

A convocação de Robert Sherman, hoje divulgada pela diplomacia portuguesa numa breve nota, ocorreu dois dias depois de os trabalhadores portugueses da base das Lajes, na ilha Terceira (Açores), terem sido oficialmente notificados da intenção dos Estados Unidos de reduzir o efetivo militar e civil naquela infraestrutura.

Segundo o ministério, na reunião com o embaixador norte-americano foi transmitida a posição do Governo português de que o processo iniciado com a notificação, que foi precedida de um inquérito geral a todos os trabalhadores sobre um eventual interesse na cessação de contratos por mútuo acordo, “não deverá prosseguir em termos efetivos até à reunião extraordinária da Comissão Bilateral Permanente que se realizará em Washington”.

“Foi igualmente reiterado que ambas as partes deverão assegurar um cumprimento estrito dos compromissos assumidos na Comissão Bilateral Permanente que teve lugar a 11 de fevereiro, em Lisboa”, reforçou a nota informativa.

Na segunda-feira, a Comissão Representativa dos Trabalhadores da base das Lajes e o Comando da Zona Aérea dos Açores foram notificados oficialmente pelo Comando norte-americano sobre o arranque do processo de redução de postos de trabalho.

Na última reunião da Comissão Bilateral Permanente entre Portugal e os Estados Unidos, que decorreu em Lisboa, a 11 de fevereiro, foi decidido que seria realizada uma reunião extraordinária entre maio e junho, em Washington, para tratar exclusivamente da redução na base das Lajes, com ênfase para as questões laborais.

A 08 de janeiro deste ano, o então secretário da Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, anunciou a redução de 500 efetivos da base aérea portuguesa nas Lajes.

No mesmo dia, o embaixador norte-americano em Lisboa explicou que o objetivo é reduzir gradualmente os trabalhadores portugueses de 900 para 400 pessoas ao longo deste ano e os civis e militares norte-americanos passarão de 650 para 165.

Esta decisão representa para os Estados Unidos uma poupança de 35 milhões de dólares (cerca de 29,6 milhões de euros) anuais.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.