Portos de Lisboa, Aveiro, Figueira da Foz e Setúbal "completamente parados"

Portos de Lisboa, Aveiro, Figueira da Foz e Setúbal "completamente parados"

 

Lusa/AO online   Economia   14 de Ago de 2012, 11:26

Os portos de Lisboa, Aveiro, Figueira da Foz e Setúbal estão "completamente parados", disse esta terça-feira o vice-presidente da Confederação dos Sindicatos Marítimos e Portuários, o que "demonstra o repúdio dos trabalhadores" portuários pelas alterações legislativas propostas pela Governo.

Num primeiro balanço da greve convocada pela Confederação dos Sindicatos Marítimos e Portuários (Fesmarpor), o vice-presidente Vítor Dias adiantou à Lusa que a adesão nos portos de Lisboa, Setúbal, Figueira da Foz e Aveiro se situa nos 99 por cento, com apenas um trabalhador afeto ao sindicato que convocou o protesto a não aderir.

Os números, acrescentou, estão “dentro do esperado”, uma vez que as greves no setor portuário costumam ter “uma adesão muito forte”.

“A adesão está a mostrar o repúdio dos trabalhadores perante o projeto-lei”, afirmou Vítor Dias.

Os trabalhadores portuários portugueses começaram à meia-noite uma greve contra a revisão do regime jurídico do trabalho portuário, que vai prolongar-se até às 08:00 de quarta-feira.

O vice-presidente da Confederação dos Sindicatos Marítimos e Portuários (Fesmarpor), Vítor Dias, explicou à Lusa que, atualmente, os trabalhadores portuários executam todo o tipo de tarefas até ao momento em que a carga embarca no navio. Com a reforma, o Governo quer que os trabalhadores portuários façam apenas o trabalho a bordo.

“O que o Governo pretende é deixar sem ocupação cerca de 50 por cento dos trabalhadores portuários e ir buscar trabalhadores sem qualquer tipo de qualificação” para desempenhar as restantes tarefas, acrescentou o dirigente sindical.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.