Portas diz que poder de indigitar primeiro-ministro é "livre e não sindicável"

Portas diz que poder de indigitar primeiro-ministro é "livre e não sindicável"

 

Lusa/AO Online   Nacional   20 de Nov de 2015, 11:48

O líder do CDS-PP considerou hoje que cabe ao Presidente da República verificar a sustentabilidade do "projeto negativo" da esquerda parlamentar e sublinhou que o poder presidencial de indigitar o primeiro-ministro é "livre e não sindicável".

 

"Compete ao senhor Presidente da República verificar a sustentabilidade deste mero projeto negativo, nem nos parece que o líder do PS tenha apresentado o que dizia e prometia ter, nem nos parece que os requisitos afirmados pelo senhor Presidente da República tenham sido satisfeitos", afirmou o líder do CDS-PP, Paulo Portas, numa declaração aos jornalistas no final de uma audiência com o Presidente da República.

Sublinhando que o CDS-PP respeitará a decisão do chefe de Estado - "concordando ou discordando" - Paulo Portas lembrou que Portugal é um regime semipresidencial e que o poder de indigitar o primeiro-ministro é um "poder livre e não sindicável" do chefe de Estado.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.