Ponta Delgada "muito preocupada" com endividamento das empresas municipais

Ponta Delgada "muito preocupada" com endividamento das empresas municipais

 

Lusa/AO Online   Regional   30 de Mar de 2016, 19:21

O presidente da Câmara de Ponta Delgada, nos Açores, admitiu hoje estar "muito preocupado" com o endividamento das três empresas municipais e escusou-se a antecipar soluções, que revelou estarem a ser estudadas.

 

“Estou a estudar, não quero antecipar, porque é preferível ser prudente do que apressado”, afirmou José Manuel Bolieiro em declarações à agência Lusa, após a reunião do executivo municipal.

Sem revelar os valores do endividamento, o autarca social-democrata adiantou que “estão a ser estudados todos os constrangimentos jurídicos, legais, económicos e financeiros para optar pela melhor solução em nome do equilíbrio financeiro da câmara”, informando que o município já teve seis empresas e agora tem apenas o Coliseu Micaelense, a Cidade em Ação e o Azores Parque.

“Não gosto de esconder o sol com a peneira. Tenho procurado não fingir que o que está mal está bem, mas declarar com lealdade e honestidade que o que está mal está mesmo mal”, disse José Manuel Bolieiro.

Segundo o autarca, houve alterações legais recentes que podem ser mais favoráveis a resolver alguns problemas.

A questão do setor empresarial local foi suscitada pela oposição socialista durante a reunião de câmara, na qual o vereador Nuno Miranda acusou José Manuel Bolieiro de nunca ter pretendido discutir abertamente este assunto.

“É notório que existem empresas com degradação constante das suas contas. Temos instigado o senhor presidente para não só se solidarizar com as nossas preocupações, mas para debater com toda a gente a própria situação do setor empresarial local, porque é uma situação complexa”, sustentou Nuno Miranda.

O vereador socialista defendeu que tanto o Coliseu Micaelense como a empresa Cidade em Ação, proprietária do Parque Urbano, deveriam ser internalizadas no município.

Porém, sublinhou, o Azores Parque (parque industrial municipal), com “uma situação financeira muito gravosa”, detida por entidades públicas e privadas, merece “maior reflexão” sobre a solução a adotar, sendo preferível “a extinção e insolvência da mesma”.

Na reunião, os vereadores socialistas entregaram um documento com um conjunto de 27 medidas em áreas tão diversas como a mobilidade e acessibilidades, higiene urbana entre outras.

Além do encerramento ao trânsito da rua dos Mercadores, no centro da cidade, a oposição propõe a reconfiguração do horário de recolha de resíduos urbanos em Ponta Delgada, a redução da sinalização vertical e a alteração dos horários de acesso às lagoas das Empadadas e do Canário.

José Manuel Bolieiro comprometeu-se a analisar o documento.

 

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.