Ponta Delgada assinala centenário de bombardeamento à cidade

Ponta Delgada assinala centenário de bombardeamento à cidade

 

AO/Lusa   Regional   2 de Jul de 2017, 13:54

A Câmara de Ponta Delgada assinala este mês o bombardeamento à cidade a 04 de julho 1917, no decurso da I Guerra Mundial, com várias iniciativas, incluindo uma homenagem à única vítima mortal.

 

Em 04 de julho de 1917, um submarino alemão, o U-155 “Deutschland”, bombardeou a cidade de Ponta Delgada, provocando um morto, feridos e danos materiais. O ataque acabou por ser travado por um navio norte-americano, o carvoeiro “Orion”, estacionado na ilha de São Miguel.

O ataque a Ponta Delgada surgiu no âmbito dos vários saques de alemães, durante a I Guerra Mundial (1914-1918), a navios que circulavam no Atlântico Norte, para se abastecerem, desestabilizando-se assim o fornecimento da Europa por parte dos americanos.

Segundo informação do município, o conjunto de atividades, com a parceria de várias entidades, tem como tema “Ponta Delgada na I Guerra Mundial - no Centenário de todas as Mudanças”, começa na terça-feira, às 10:00 locais (mais uma hora em Lisboa), em frente ao Forte de São Brás, com o disparo de 12 salvas de obus.

Neste dia, vão ser “içadas as bandeiras nacionais de Portugal, Alemanha e dos Estados Unidos da América, esta última por marines daquele país, numa alusão aos países envolvidos na I Grande Guerra Mundial e protagonistas do episódio do ataque a Ponta Delgada”.

“No local será, ainda, prestada homenagem aos militares caídos em combate durante a Grande Guerra, com a deposição de uma coroa de flores”, acrescenta a mesma nota.

Dois dias depois, é inaugurada a exposição “Ponta Delgada e a I Guerra Mundial - no Centenário de todas as Mudanças”, no Museu Militar dos Açores e no centro comercial Solmar Avenida Center.

As mostras vão estar patentes até 03 de setembro e são explicadas num catálogo em Português, Alemão e Inglês.

Entre 13 e 16 de julho realiza-se o seminário “A Grande Guerra e os Açores: da estratégia naval à guerra das trincheiras”, também no Museu Militar dos Açores, que inclui “um percurso cultural entre o Alto da Mãe de Deus e a Nordela, palcos dos eventos, onde decorreram o durante e o pós bombardeamento alemão a Ponta Delgada”.

Uma exposição, o lançamento por parte dos CTT de um envelope com carimbo de valor filatélico e um concerto são outras das iniciativas do programa, destacando-se a 26 de julho a homenagem à única vítima mortal do bombardeamento, Tomásia Pacheco, de 16 anos.

A homenagem decorre às 11:00 locais, na casa onde viveu Tomásia Pacheco, na rua do Pilar, na Fajã de Cima, sendo que no local será colocada uma placa toponímica, informativa da efeméride.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.