Plano e Orçamento dos Açores 2016 dá prioridade ao emprego, formação e apoio social

Plano e Orçamento dos Açores 2016 dá prioridade ao emprego, formação e apoio social

 

Lusa/AO Online   Regional   19 de Nov de 2015, 05:07

O presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro adiantou esta noite que o Plano e Orçamento regional para 2016 pretende ajudar os açorianos a ultrapassarem a fase de dificuldades que enfrentaram.

 

Vasco Cordeiro, que é também líder do PS/Açores, disse que o orçamento regional "tem uma orientação estratégica muito clara e definida", que passa por "ir ao limite das competências" para ajudar açorianos a ultrapassarem fase de dificuldades.

"No fundo, é também uma forma de concretizarmos, para beneficio dos açorianos e das açorianas, tudo aquilo que vai até ao limite das nossas competências, até ao limite dos nossos recursos para criar essas soluções que possam ajudar os açorianos e açorianas a ultrapassarem esta fase e também a fortalecer as perspetivas de futuro que nós também temos de ter na nossa Região", afirmou Vasco Cordeiro esta noite aos jornalistas, no âmbito de uma sessão pública de apresentação do Plano e Orçamento para 2016 organizada pelo PS/São Miguel no Teatro Ribeiragrandense.

Vasco Cordeiro falou em algumas das opções de investimento para o próximo ano, o último da primeira legislatura em que assumiu funções enquanto presidente do Governo Regional dos Açores e que passam por dar prioridade ao emprego, formação e também à área social.

"Nós continuamos empenhados em melhorar as condições de empregabilidade, de qualificação das açorianas e dos açorianos de forma a que essas condições permitam não apenas ter mais emprego na Região como melhores empregos também na nossa Região”, sublinhou.

Vasco Cordeiro defendeu “a manutenção de uma forte componente de atenção e de cuidado social”, porque na atual situação é importante continuar a acudir” às necessidades das pessoas, recordando que as propostas de Plano e Orçamento para 2016 preveem também “um aumento naquilo que tem a ver com o complemento regional do abono de família para crianças e jovens".

Em jeito de balanço dos últimos quatro anos, Vasco Cordeiro assumiu que esta foi uma legislatura "exigente para as empresas e famílias açorianas", em virtude sobretudo dos condicionalismos externos que afetaram a economia açoriana e das "opções politicas tomadas ao nível da república, e que condicionaram apoios sociais e rendimento", afetando sobretudo funcionários públicos, reformados e pensionistas, e que obrigaram o Governo Regional a colocar em prática alguns mecanismos para ajudar a população.

A proposta de Plano do Governo para 2016 (que contabiliza as estimativas de investimento público) ronda os 780 milhões de euros, mais cerca de 54 milhões de euros em relação a este ano, ao passo que o Orçamento ascende a 1.350 milhões.

A discussão do Plano e Orçamento para 2016 está agendada para os dias 24, 25 e 26 de novembro em plenário da Assembleia Legislativa Regional dos Açores.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.