Peregrinos receberam com emoção novos santos Jacinta e Francisco

Peregrinos receberam com emoção novos santos Jacinta e Francisco

 

Lusa/Açoriano Oriental   Nacional   13 de Mai de 2017, 18:16

A eucaristia do final das cerimónias do centenário das "aparições", em Fátima, provocou este sábado emoção entre os peregrinos, que se afirmaram comovidos e em paz e destacaram a canonização dos pastorinhos Jacinta e Francisco como o ponto alto.

Mafalda Cunha afirmou-se “comovidíssima”. Vem todos os anos a Fátima “desde pequenina”, umas vezes com os avós, outras com a mãe e o pai, para “ver os pastorinhos”.

“Para mim, foi um sonho concretizado. Tenho tido muitas graças de Nossa Senhora. Sei pedir, sei agradecer e espero continuar assim, a acreditar”, contou Mafalda, segundo a qual estar longe do altar não a impediu de viver intensamente toda a cerimónia.

Já José descreveu a missa desta manhã como uma “cerimónia que tocou o coração de todo o povo católico português e não católico”.

“O centenário foi assinalado e celebrado da melhor maneira com a vinda do santo padre a Portugal e aqui a Fátima”, apontou o peregrino, elegendo como uma “feliz coincidência” o facto de o mesmo dia ter concentrado três grandes acontecimentos: a canonização dos pastorinhos, o centenário das “aparições” e a presença do papa Francisco.

Para José, este foi um dia importante para os católicos, “memorável e inesquecível para quem esteve no santuário a apreciar este momento”.

Paula tem dificuldade em encontrar as palavras certas para descrever toda a emoção sentida durante a missa, mas diz ter vivenciado “uma paz muito grande”.

“O papa para mim também significa muito, transmite muita paz às pessoas, muita união e por isso é que eu aqui estou também”, explicou.

Maria, emigrante nos Estados Unidos há 27 anos, contou que veio de propósito para ver o papa Francisco e porque era o centenário das “aparições”. Mas também por existir uma coincidência pessoal.

“Tenho uma das minhas filhas que faz hoje 33 anos. É um dia especial para mim. Além de ser o da Nossa Senhora, também dei à luz nesse dia. Estou sempre muito agradecida e sempre que tenho oportunidade gosto de vir aqui”, contou.

Natália, por seu lado, veio pelas “aparições”, pelos pastorinhos e pela vinda do papa Francisco: “É tudo muito emocionante. Não há palavras, é uma coisa que toca imenso”.

“Fiz tudo por tudo por estar e agradeço ao meu marido, que me fez a vontade”, disse.

Já Mafalda Trabugo, de 19 anos, veio com um grupo de peregrinos da Ericeira, na sua segunda peregrinação a Fátima, sendo que nesta vez teve o “privilégio” de auxiliar na comunhão com um padre espanhol.

“Foi uma experiencia completamente diferente do que estava habituada. Houve alguma confusão porque muita gente quis comungar e não conseguimos chegar a toda a gente, mas tive o privilégio de poder estar perto daqueles que também precisavam e gostavam de comungar, principalmente tendo uma missa presidida pelo papa”, revelou.

Também para esta peregrina, a canonização dos dois pastorinhos “representa muito”, adiantando que é algo que vai transmitir aos seus catequizandos.

Opinião partilhada por Fernando, para quem a cerimónia foi “muito emocionante”.

“Acho que a parte mais importante hoje foi a santificação dos pastorinhos, Francisco e Jacinta, essa foi a parte mais emocionante da cerimónia”, apontou, revelando que se emocionou muitas vezes durante a eucaristia.

Depois de duas noites pernoitadas em Fátima, e de esta ser a sua primeira peregrinação nos dias 12 e 13 de maio, Matilde está pronta para regressar à Ericeira: “Sim, vou-me embora, já chega, tenho sono”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.