Pequim atinge objectivo de «céu azul» e respira de alívio


 

Lusa/AO   Outras modalidades   31 de Dez de 2007, 08:59

As autoridades de Pequim puderam respirar de alívio quando a cidade anfitriã dos próximos Jogos Olímpicos (JO) atingiu o objectivo de qualidade do ar

As autoridades de Pequim puderam respirar de alívio quando a cidade anfitriã dos próximos Jogos Olímpicos (JO) atingiu o objectivo de qualidade do ar, antes do final de 2007, informou a agência noticiosa estatal.
Segundo a agência Nova China, Pequim registou um total de 245 dias com céu azul na cidade, atingindo o objectivo de melhoria de qualidade do ar a apenas dois dias do final de 2007.
Uma corrente fria expulsou o nevoeiro que ameaçou Pequim até sexta-feira e devolveu à cidade um céu azul esperado há muito e necessário para a cidade atingir dois terços do ano com melhor qualidade do ar.
"Antecipámos o último 'céu azul' do ano há mais de 10 dias, mas um nevoeiro persistente e as tempestades de areia impediram esse objectivo na semana passada", referiu Du Shaozhong, o director delegado do gabinete municipal de protecção ambiental.
Du admitiu que estava preocupado com a possibilidade de o objectivo não ser atingido. A falha representaria mais um revés na diminuição da poluição na cidade, que tem sido uma das maiores dificuldades de Pequim na preparação para os JO.
Esta meta significa que há nove anos consecutivos que a qualidade do ar de Pequim tem vindo a melhorar continuamente. No ano passado, a cidade registou 241 dias de "céu azul" e os meses de Janeiro, Setembro, Outubro e Novembro de 2007 foram aqueles em houve dias de céu mais limpo.
As estatísticas também mostram que apesar do número de dias de "céu azul" não ter aumentado substancialmente, em 2007, só existiram três dias de forte poluição em comparação com os 13 dias de má qualidade atmosférica registados em 2007. A capital chinesa lançou a campanha "Defendendo o Céu Azul" em 1998, quando a cidade só conseguia atingir 100 dias de boa qualidade do ar.
Em 2008, a cidade que vai receber a XXIX edição dos JO pretende que em 70 por cento dos dias do ano os chineses possam vir a respirar um ar mais saudável. 
"Isto significa que deverão haver mais 11 dias de 'céu azul' no próximo ano", acrescentou Du.
Pequim atingiu o objectivo de "céu azul" no mesmo dia em que a Nova China informa que as queixas de residentes devido à má qualidade do ar perto de locais em construção diminuíram 30 por cento nos primeiros 11 meses deste ano em comparação com o ano anterior.
A cidade multou 7.467 locais com trabalhos de construção pela falta de controlo do pó, num total de dez milhões de renminbi (cerca de 930 mil euros), segundo as autoridades ambientais. 
O município emitiu também mais de quatro mil multas pela realização de churrascos ilegais ao ar livre e pela incineração de lixo em instalações não autorizadas.
A poluição é um dos objectivos que Pequim pode falhar até Agosto, data de início dos JO, apesar de alguns esforços para reduzir a poluição atmosférica na cidade e assegurar um evento desportivo mais "verde".
Por exemplo, o município reduziu as taxas dos transportes públicos para dissuadir os residentes da cidade de utilizarem os seus veículos privados e já substituiu 18 mil caldeiras de carvão e instalou 20 mil aquecedores eléctricos em habitações.
A cidade também anunciou anteriormente à imprensa que vai substituir mais de 7 mil autocarros poluentes por outros mais amigos do ambiente, e que vai proibir os espectadores dos Jogos de se deslocarem aos estádios em automóveis privados. 
Apesar das medidas para tornar Pequim "mais respirável", o Comité Olímpico Internacional (COI) já reiterou várias vezes desde o início da contagem decrescente para os Jogos, em Agosto deste ano, que a poluição atmosférica continua a ser uma das maiores dificuldades que a capital chinesa enfrenta, e que pode ameaçar o sucesso do evento.
O COI admitiu que a poluição pode fazer adiar competições mais longas, como a maratona, por "um ou dois dias", se a qualidade do ar não for a melhor.
Pequim é uma das cidades mais poluídas do mundo, a China é um dos principais poluentes do globo e um país com graves problemas de poluição atmosférica, da água e dos solos.
A maioria dos grandes rios do país estão poluídos e mais de um terço da China sofre chuvas ácidas, de acordo com relatórios oficiais que estimam que a maioria dos moradores urbanos respiram ar poluído e que mais de 300 milhões de moradores das áreas rurais não tem acesso à água potável.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.