Pedro Proença assume presidência da Liga seis meses depois de 'arrumar o apito'


 

Lusa/AO online   Futebol   28 de Jul de 2015, 18:53

Pedro Proença, considerado um dos melhores árbitros de sempre, subiu à presidência da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) seis meses depois de ter 'arrumado' o apito, ganhando a corrida a Luís Duque.

 

Um homem que 'gravou' o nome na arbitragem, apresentava como uma das principais credenciais nesta candidatura a experiência como gestor e a promessa de desenvolver o futebol como atividade empresarial, um projeto que juntou dois 'grandes' desavindos: FC Porto e Sporting.

Um projeto assente em três eixos - credibilização, criação de valor e internacionalização -- convenceu a maioria dos clubes dos dois campeonatos profissionais, que depositaram nas urnas 32 votos, contra 23 de Luís Duque, recebendo o apoio de 12 dos 18 clubes da I Liga, que tinham direito a dois votos, e oito dos emblemas da II Liga.

Do outro lado da 'barricada' ficaram os presidentes do Benfica, Luís Filipe Vieira, e Sporting de Braga, António Salvador, 'cabeças de cartaz' no apoio à reeleição de Luís Duque.

A 22 de janeiro, Pedro Proença tinha anunciado o fim da carreira como árbitro, depois de ter dirigido 168 jogos da I Liga e uma centena de internacionais.

O fim de ciclo de Proença como árbitro, que, na altura, com 44 anos, estava a menos de um ano de atingir o limite de idade, era um dado adquirido praticamente desde o Mundial de 2014, no Brasil, onde o 'juiz' lisboeta viu esfumar-se o desejo de arbitrar a final. Esse facto terá adiado o adeus imediato.

No Mundial de clubes, realizado em dezembro, em Marrocos, parecia destinado à final, mas a presença do Real Madrid, um clube europeu, no jogo decisivo, acabou por 'atirá-lo' para o encontro que definiu o terceiro classificado.

Aquele jogo, a 20 de dezembro, acabou mesmo por ser o último de Proença e foi necessário esperar apenas um mês para ouvi-lo oficializar o final de 16 anos de uma carreira marcada pela presença na final da Liga dos Campeões de 2011/12 e na final do Euro2012. Se no primeiro caso repetiu o feito de António Garrido em 1979/80, no segundo foi o pioneiro português.

Nascido em Lisboa, a 03 de novembro de 1970, Pedro Proença Oliveira Alves Garcia tornou-se árbitro da primeira categoria em 1998. De lá para cá, fez 168 jogos na I Liga (entre 2000/01 e 2014/15) e mais de 370 em todas as competições, arbitrou duas finais da Taça de Portugal, duas da Taça da Liga, três vezes a Supertaça e esteve em 14 'clássicos' envolvendo os 'três grandes' - Benfica, FC Porto e Sporting.

Primeiro classificado em seis épocas, este assumido benfiquista viu o seu percurso distinguido recentemente com o prémio de 'árbitro do século', atribuído na gala do centenário da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), mas a sua carreira também conheceu alguns percalços.

A partir de 01 de julho deste ano, Pedro Proença passou a integrar o Comité de Arbitragem da UEFA.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.