PCP apresenta programa eleitoral hoje à tarde em Lisboa

PCP apresenta programa eleitoral hoje à tarde em Lisboa

 

Lusa/AO Online   Nacional   7 de Jul de 2015, 06:31

O Partido Comunista Português (PCP) apresenta hoje, em Lisboa, o seu programa eleitoral, com a intervenção do secretário-geral Jerónimo de Sousa, após ter apresentado os "objetivos e eixos essenciais" do documento em maio.

A apresentação do programa eleitoral está prevista para as 17:30, e vai decorrer num hotel em Lisboa.

Nas propostas já apresentadas em maio, no documento que revelou os “objetivos e eixos essenciais” do programa, o PCP defende a "renegociação de uma dívida insustentável", pelo menos o perdão de metade dos compromissos com a ‘troika', e o controlo estatal da TAP e de outras empresas, da energia à banca.

"Uma renegociação da dívida direta do Estado, em particular da correspondente ao empréstimo da ‘troika', com uma redução dos montantes não inferior a 50% do valor nominal, em simultâneo com a renegociação de prazos e juros, visando a diminuição dos custos com o serviço da dívida em 75%", lê-se no documento do PCP, no qual se acrescenta que o pagamento dos compromissos remanescentes devem estar associados ao "valor das exportações", permitindo "libertar mais de seis mil milhões de euros por ano" para "investimento público, às funções sociais do Estado, à dinamização da economia".

O PCP manifestou-se também contra eventuais alterações nos descontos para a Segurança Social através da Taxa Social Única (TSU) e propõe mexidas no IRS e no IVA.

O partido quer a "revogação da sobretaxa do IRS e a fixação de 10 escalões e do regime de deduções deste imposto, a redução da taxa normal do IVA e o alargamento da aplicação da taxa reduzida ou intermédia a bens e serviços essenciais, que inclui o IVA a 13% na restauração, a par da criação de um imposto sobre transações financeiras e sobre o património mobiliário".

Os comunistas querem assegurar ainda a “recapitalização da TAP por via do Estado e a garantia do controlo público da totalidade da empresa", sem esquecer a necessidade do "estudo e a preparação do país para se libertar da submissão ao euro".

"Avançaremos com o fim das taxas moderadoras, a garantia de médicos de família a todos os portugueses, a reposição do direito de transporte a doentes não urgentes", lê-se no texto.

No mercado de trabalho, o PCP pretende a "regularização da situação dos trabalhadores com falsa prestação de serviços: falso trabalho independente, falsos recibos verdes e falsas bolsas de investigação, assegurando a sua integração com vínculo efetivo nos postos de trabalho que desempenham".

Os comunistas vão concorrer às legislativas de setembro/outubro com "Os Verdes" e Intervenção Democrática, juntos na Coligação Democrática Unitária (CDU).

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.