Patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, preside à Solenidade da Ressurreição do Senhor

Patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, preside à Solenidade da Ressurreição do Senhor

 

Lusa/AO Online   Nacional   5 de Abr de 2015, 15:07

O Cardeal Patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, recordou hoje os cristãos que um pouco por todo o mundo "sofrem grandes perseguições" mas não esquecem a importância de ajudar os mais pobres e de serem misericordiosos.

Durante a celebração da missa de domingo de Páscoa, na Sé Patriarcal de Lisboa, Manuel Clemente lembrou que, durante a Semana Santa, os cristãos celebraram “todos os mesmos evangelhos e os mesmos ritos essenciais, embora possam ser diferentes nas expressões”.

Estas cerimónias, segundo o Patriarca de Lisboa, sublinharam a mensagem de Cristo “de que o mal se vence com o bem e que quantas maiores são as dificuldades maior deve ser a entrega”.

A palavra foi partilhada pelos “cristãos em todo o mundo, quer em sítios tão bonitos e pacíficos como esta catedral, quer noutros que não estão agora tão bonitos nem tão pacíficos porque, como nós sabemos, os cristãos em muitos lados do mundo sofrem grandes perseguições”, disse à agência Lusa no final da cerimónia religiosa.

Na homília, Manuel Clemente recordou a mensagem do papa Francisco que tem apelado à misericórdia e à importância de as pessoas estarem mais próximas de quem precisa, dos mais pobres.

Hoje, na Sé Patriarcal de Lisboa foram contados episódios relacionados com a ressurreição e a mensagem de Cristo, que “morreu a pedir perdão por aqueles que o tinham posto na cruz, deu a vida por eles e por todos e depois, quando foram à procura dele num dia como o dia de hoje, já não estava lá, porque estava em todo o mundo, ressuscitado”, disse à Lusa.

“Esta é a mensagem pascal que todos nós celebramos. E que a cada Semana Santa, relembrando e retomando as palavras e os antigos relatos que nos contam esta mesma realidade, nos faz viver também de outra maneira e com vontade de não cruzar os braços perante tantas dificuldades e são também outros tantos sepulcros, onde às vezes a esperança se esvai”, disse Manuel Clemente, recordando “as pessoas que nem conseguem nascer, as que vivem e dificilmente arranjam trabalho, as que estão sozinhas e são tantas”.

Sobre a situação atual do país e a necessidade de ajudar os mais pobres, Manuel Clemente defendeu que “é sempre mais, porque há sempre muito caminho não andado que espera por alguém".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.