OIT pede mais empenho na luta contra o trabalho infantil


 

Lusa/AO On line   Nacional   12 de Jun de 2010, 08:18

O Dia Mundial de Luta Contra o Trabalho Infantil, assinalado hoje, coincide este ano com o Mundial de Futebol, aproveitando a universalidade deste desporto para pedir um "golo" contra a exploração de crianças no mundo.

“Marque um golo: Erradique o Trabalho Infantil” foi o lema escolhido para 2010 pela OIT, que todos os anos reúne governos, associações de empregadores e trabalhadores e a sociedade civil contra um “flagelo” que atinge milhões de crianças.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), várias personalidades do mundo do futebol darão este ano o seu apoio à causa, que até 2016 pretende eliminar as piores formas de trabalho infantil: escravatura, tráfico, servidão, prostituição, pornografia e trabalho forçado, incluindo o recrutamento para conflitos armados, bem como trabalhos suscetíveis de prejudicar a saúde, segurança ou moralidade da criança.

A OIT assinala que os progressos na luta contra o trabalho infantil variam conforme as regiões do globo e considera que são “insuficientes e demasiados lentos”.

A organização alerta que a principal causa do trabalho infantil é a pobreza e que os países que conseguem resultados mais significativos são os que atacam a raiz do problema, sendo fundamental a ação dos governos em três áreas – programas de ajuda a famílias e crianças, trabalho digno para os adultos e educação de qualidade.

De acordo com estimativas da UNESCO, 72 milhões de crianças em idade de frequentar o 1.º ciclo (das quais mais de metade são meninas) e 71 milhões em idade para estar no 2.º e 3.º ciclos não estão matriculadas.

Entre as crianças matriculadas, muitas não vão regularmente à escola.

“Em demasiados países, a educação tem falta de meios. Pura e simplesmente não há professores ou escolas suficientes”, segundo a OIT, que pede “maior prioridade” para a educação quando são tomadas decisões orçamentais.

O relatório de 2010 da organização refere o momento crítico que o mundo atravessa devido à crise e sublinha que, apesar de alguns progressos a nível mundial, existem motivos de preocupação.

Verifica-se um declínio do trabalho infantil entre as meninas e as crianças envolvidas em trabalhos perigosos. No entanto, “no cômputo geral, existem indicadores de um progresso desigual: os resultados não são suficientemente rápidos ou abrangentes para atingirmos os objetivos a que nos propusemos”, escreve o diretor geral da OIT, Juan Somavia.

O relatório descreve um abrandamento do ritmo de redução global desde 2006 e indica que o trabalho infantil no grupo dos adolescentes de 15 a 17 anos de idade aumentou.

“Na África subsariana, os progressos estagnaram – um resultado dececionante”, lamenta, acrescentando que África tinha sido identificada, no último relatório, como uma região que precisava de uma atenção especial.

O facto, conclui, “é que aproximadamente 215 milhões de crianças em todo o mundo continuam presas ao trabalho infantil”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.