O Experimentar Na M'Incomoda explora o sagrado e o profano da música tradicional açoriana

O Experimentar Na M'Incomoda explora o sagrado e o profano da música tradicional açoriana

 

Lusa/AO online   Cultura e Social   25 de Out de 2012, 09:35

O músico português Pedro Lucas, mentor do projeto O Experimentar Na M'Incomoda, voltou a mergulhar na música tradicional açoriana para gravar "2: sagrado e profano", o segundo álbum de composições, a editar na segunda-feira.

Dois anos depois de se ter estreado, apresentando O Experimentar Na M'Incomoda, Pedro Lucas decidiu manter a linha exploratória do cancioneiro tradicional dos Açores, reinterpretando-o à luz da música urbana, desta vez menos eletrónica, mais acústica, explicou.

"2: sagrado e profano" apresenta temas retirados de uma antologia de recolhas feitas por Artur Santos, nos anos de 1960, na ilha de São Miguel, e por José da Lata.

No disco participam ainda Carlos Medeiros e Zeca Medeiros, Pedro Gaspar, a tocar viola caipira, e Pedro Lucas, em boa parte dos instrumentos.

"Eu tinha uma necessidade de celebrar a nosssa herança cultural, o património que me é mais próximo e explorar as minhas raízes, de uma forma mais intituiva, menos superficial", disse Pedro Lucas, açoriano.

O músico vive há três anos em Copenhaga, e considera essa distância uma vantagem em relação a Portugal, na forma de pensar e interpretar essa tradição.

"Quando me mudei, estava a meio do primeiro disco [editado em 2010] e é sempre uma boa desculpa para voltar aos Açores, mas, sim, a distância dá-nos outra perspetiva das coisas", referiu.

O trabalho de Pedro Lucas em O Experimentar Na M'Incomoda é apropriar-se de temas populares da música tradicional dos Açores e acrescentar-lhes um novo contexto, nalguns dos casos retirando-lhes, por exemplo, a carga religiosa. Daí que se fale na dualidade sagrado/profano.

Pedro Lucas nasceu no Faial, estudou guitarra clássica na Horta, fez estudos também em Aveiro e em Lisboa, atualmente vive e trabalha em Copenhaga e está a terminar a licenciatura em estudos artísticos pela Universidade Aberta.

Pertenceu aos Bandarra, desenvolveu os projetos de música urbana The Wicked Jamaica e BabudJah e. hoje, enquanto músico, assina com o alterego Septimus Warren Smith.

A apresentação do álbum "2: sagrado e profano" acontecerá em quatro momentos, ao vivo: a 09 de novembro, no Teatro Faialense, no dia seguinte, no Festival Mundo Aqui, em Ponta Delgada, no dia 16, no MusicBox, em Lisboa, e no dia 16 de novembro, no Passos Manuel, no Porto.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.