Nenhuma anomalia detetada nas centrais nucleares japonesas após violento sismo

Nenhuma anomalia detetada nas centrais nucleares japonesas após violento sismo

 

Lusa/AO online   Internacional   7 de Dez de 2012, 08:47

Nenhuma anomalia foi detetada nas centrais nucleares do nordeste do arquipélago do Japão, atualmente todas paradas, depois do violento sismo registado esta sexta-feira ao largo do Japão, indicaram a companhia de eletricidade Tokyo Electric Power (TEPCO) e os media nipónicos.

Entretanto, uma primeira vaga de um metro atingiu hoje às 18:02 (09:02 em Lisboa) a costa da cidade de Ishinomaki, no nordeste do Japão e que foi a mais atingida pelo sismo de 11 de março de 2011, indicou a agência meteorológica japonesa, que lançou um alerta de tsunami.

“Nós não temos nada de anormal a constatar nas medidas dos seis reatores da central de Fukushima Daiichi" (afetada a 11 de março de 2011), indicou um porta-voz da TEPCO.

Também nada de anormal foi assinalado na segunda central de Fukushima (Daini), a uma dezena de quilómetros da primeira, nem na de Onagawa, indicaram os media locais.

No entanto, a agência meteorológica alertou que o tsunami que ameaça o nordeste do Japão pode atingir dois metros na costa da prefeitura de Miyagi e 50 centímetros nas outras costas.

As autoridades lançaram um alerta de tsunami para uma longa parte da costa do Pacífico do Japão, ou seja, de mais de 500 quilómetros de norte a sul, da ponta da ilha setentrional de Hokkaido até à costa situada a leste de Tóquio.

Um violento sismo de magnitude 6,2 na escala de Richter, que inicialmente a agência meteorológica estimou em 7,3 e que foi sentido até em Tóquio, foi registado hoje às 17:18 locais (08:18 em Lisboa) ao largo da costa nordeste e o alerta de tsunami foi imediatamente lançado.

O epicentro do sismo foi localizado a 10 quilómetros de profundidade, referiu a agência nipónica.

O sismo atingiu mais de 20 províncias e em Tóquio, a várias centenas de quilómetros do epicentro, os edifícios tremeram fortemente.

A 11 de março de 2011, quase 20.000 pessoas morreram na sequência de um sismo de magnitude 9 na escala de Richter e de um tsunami gigante por este provocado.

Este sismo também provocou um acidente nuclear grave na central de Fukushima.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.