Municípios antecipam congresso para responder ao Governo contra "perda de autonomia"

Municípios antecipam congresso para responder ao Governo contra "perda de autonomia"

 

Lusa/AO Online   Nacional   24 de Nov de 2014, 18:51

O conselho geral da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) decidiu hoje antecipar o congresso, previsto para o final de 2015, para o primeiro trimestre do ano, como pretendiam autarcas descontentes com a "perda de autonomia das autarquias".

O presidente da ANMP, Manuel Machado (PS), anunciou após a reunião do conselho geral, em Lisboa, que este órgão deliberativo decidiu, por unanimidade, "realizar o congresso de 2015, em data antecipada, para o primeiro trimestre desse ano".

O também presidente da Câmara de Coimbra disse ter proposto a antecipação do congresso, mas o presidente da Câmara de Loures, Bernardino Soares, revelou que autarcas da CDU e de outras forças políticas propuseram um congresso para debater a situação de "asfixia dos municípios e redução da sua autonomia".

O presidente da ANMP acrescentou que o conselho geral reiterou "a sua posição clara e inequívoca de discordância" com a proposta do Orçamento do Estado para 2015 e salientou a necessidade de "um quadro legislativo estável" para as autarquias.

Na resolução, o conselho geral exige ainda "o fim das intervenções governamentais que limitam cada vez mais a autonomia política, administrativa e financeira dos municípios".

Manuel Machado frisou que a ANMP reafirma "a necessidade de alocação ao Fundo de Apoio Municipal (FAM), pelo Governo, dos 188 milhões de euros retirados aos municípios" de receitas consagradas na Lei das Finanças Locais.

O presidente da ANMP deu também conta da "inadmissível ausência de medidas", quer no Orçamento do Estado, quer da proposta de reforma da fiscalidade verde, da redução da taxa do IVA aplicável à iluminação pública e para os transportes e refeições escolares, como havia sido objeto de acordo com a associação.

Na resolução divulgada por Manuel Machado criticam-se ainda "os constrangimentos impostos no domínio da gestão dos recursos humanos, bloqueando a autonomia local de forma discriminatória e injusta", impedindo os municípios de responderem às necessidades das populações.

A antecipação do congresso permitiu ultrapassar, para já, o descontentamento que tem vindo a crescer na ANMP em relação às medidas do Governo.

"Há uma situação geral de enorme gravidade em relação ao poder local, que tem vindo a perder capacidade ao longo dos últimos anos, perdeu 1.500 milhões de euros nos últimos quatro anos, e a continuação desse assalto ao poder local pela política do Governo, incluindo este orçamento, exige uma resposta extraordinária que é este congresso antecipado", afirmou o autarca de Loures, Bernardino Soares (CDU), após a reunião.

Para o autarca de Loures, e dirigente da ANMP, "a associação não se pode conformar, como aconteceu nos últimos tempos, com este progressivo ataque ao poder local".

Bernardino Soares considerou que a marcação do congresso pode representar "o fim desse conformismo" e acusou o Governo de "falta de vergonha" quando "aumenta os impostos sobre as famílias e depois diz-lhes para pedirem às autarquias para baixarem na sua parte, quando o mesmo Governo reduz as verbas das autarquias".

A ANMP reuniu hoje, em Lisboa, o seu conselho diretivo (órgão executivo composto por 17 elementos) e o conselho geral (órgão deliberativo do qual fazem parte 61 autarcas).

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.