Município reabilita antigas vilas operárias de Lisboa para habitação

Município reabilita antigas vilas operárias de Lisboa para habitação

 

Lusa / AO online   Nacional   27 de Nov de 2016, 10:52

O município de Lisboa vai reabilitar 34 pátios e antigas vilas operárias da cidade, três bairros já no próximo ano, para ali promover habitação acessível essencialmente dirigida aos mais jovens, anunciou hoje a vereadora da Habitação.

 

“Fizemos a análise daquilo que são os pátios e vilas de propriedade municipal. Alguns não têm viabilidade, estão em estado muito avançado de degradação […] e, portanto, serão demolidos e o espaço público será devolvido à população, mas naqueles que têm viabilidade avançamos com a requalificação integral”, afirmou Paula Marques à agência Lusa.

Segundo a responsável, o objetivo é “pôr os fogos em habitação acessível”.

Paula Marques apontou que em causa estão “pequenas áreas” nas freguesias de Campolide, Belém, Beato, São Vicente, Marvila, Ajuda e Alcântara, razão pela qual “faz sentido que [os fogos] sejam direcionados a gente mais nova”.

“Quando lançarmos o concurso para a camada mais jovem, (…) há um condicionante que as pessoas que se candidatam têm de perceber: há um conjunto de população idosa que já é nossa inquilina e que vive nestes pátios e vilas”, alertou.

De acordo com esta responsável, “a ideia é mesmo ser uma coisa inter-geracional”, com “gente mais nova num espaço onde há gente mais velha”.

“O pátio e a vila são ótimos do ponto de vista da promoção da convivência, mais do que um edifício”, considerou.

Nas obras de reabilitação, a Câmara vai ter em conta a “preservação da memória histórica deste tipo de construção, que é muito diferente do resto do património disperso, a requalificação do espaço público interno ao pátio, a requalificação dos devolutos e a requalificação do [edificado] existente”, precisou a também responsável pelo pelouro do Desenvolvimento Local.

Ao todo, o investimento camarário neste projeto é de perto de sete milhões de euros, mas não vai ser todo concretizado em 2017.

No próximo ano, serão apenas requalificados três bairros nas freguesias de Campolide, Beato e Belém, num total de cerca de três milhões de euros.

Paula Marques assinalou que a intervenção com “mais impacto é a Vila Romão da Silva, paredes-meias com as Amoreiras”.

Ali existem também equipamentos, como uma companhia de teatro, que manterá o seu espaço, indicou.

Acrescem as empreitadas de reabilitação da Vila da Bela Vista, no Beato, e do Pátio Paulo Jorge, em Belém.

“Estas três avançam no próximo ano, sem a menor dúvida”, assegurou Paula Marques.

Falando sobre o orçamento camarário para 2017, que foi aprovado na terça-feira pela Assembleia Municipal de Lisboa, a responsável assinalou que o investimento feito em habitação é da ordem dos 35 milhões de euros.

Deste montante, 7,5 milhões de euros serão suportados pelo empréstimo feito ao município pelo Banco Europeu de Investimento (que é de 250 milhões de euros até 2020 e prevê uma fatia de 75 milhões de euros para habitação social).

“Em 2017, é a continuação daquilo que temos vindo a fazer, com maior capacidade de execução, do ponto de vista financeiro”, apontou a vereadora, aludindo a intervenções nos bairros municipais, nos fogos devolutos e em património disperso.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.