Projeto açoriano quer valorizar peixe com menor valor comercial


 

Lusa/AO Online   Regional   12 de Mai de 2015, 19:37

O projeto "Valorizar o mar dos Açores", hoje apresentado em Ponta Delgada, pretende promover as espécies de pescado sem grande valor comercial em lota, contribuindo para uma pesca mais sustentável e o aumento dos rendimentos dos pescadores.

“Estamos a contribuir para uma pesca mais sustentável, para não estarmos sempre a pescar as mesmas espécies, que ficam com um valor muito elevado e são muito procuradas, e, por outro lado, a aumentar o rendimento dos pescadores, que são injustamente remunerados por capturarem espécies que, neste momento, estão a ser vendidas a um valor mais baixo”, disse aos jornalistas o secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia, Fausto Brito e Abreu.

O projeto “Valorizar o Mar dos Açores”, financiado pelo Programa Juventude em Ação – Iniciativa Jovem visa sensibilizar alunos de escolas de formação profissional de São Miguel e futuros chefes de cozinha para a inovação gastronómica e para a importância do consumo diversificado e sustentável de pescado fresco.

O projeto é uma iniciativa da Cooperativa Regional de Economia Solidária (Cresaçor), em parceria com a secretaria regional do Mar, Ciências e Tecnologia, Lotaçor, a Escola de Formação Turística e Hoteleira e a Escola Profissional de Capelas.

No âmbito das suas declarações aos jornalistas, à margem do evento, o secretário regional do Mar declarou que os chefes de cozinha envolvidos no projeto já se encontram espalhados por diversos restaurantes dos Açores.

Os produtos apresentados hoje (canapés), ainda de acordo com Fausto Brito e Abreu, constituem “marcadores individuais” que vão ser distribuídos pela restauração, ilustrando várias espécies de pescado que se espera que venham a ser servidos.

Veja, cavala, peixe-porco, lula, chicharro e raia, entre outras, constituem as espécies de pescado que estarão disponíveis nos restaurantes, em alternativa ao cherne ou goraz, espécies com maior valor comercial, explicou o titular da pasta do Mar.

Fausto Brito e Abreu declarou que se pretende desenvolver esta iniciativa também junto das escolas e empresas de 'catering', a par de prisões e hospitais, a partir da introdução destas espécies de pescado nas ementas.

A secretária regional Adjunta da Presidência para os Assuntos Parlamentares, responsável pela pasta da juventude do executivo açoriano, declarou, por seu turno, na cerimónia, que este projeto constitui um “excelente exemplo” de educação não formal que irá potenciar um recurso natural dos Açores.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.