Medeiros/Lucas editam álbum da razão e do pensamento que fecha trilogia

Carregando o video...

 

Lusa/AO online   Cultura e Social   14 de Mar de 2018, 09:06

A dupla Medeiros/Lucas edita esta semana o álbum "Sol de Março", que fecha uma trilogia como se fosse "três partes de um puzzle de uma pessoa, de uma personagem humana", explicou Pedro Lucas à agência Lusa.

Medeiros/Lucas é um projeto recente que junta duas gerações de músicos açorianos - Carlos Medeiros e Pedro Lucas - e cujo trabalho criativo, com outros instrumentistas e com o escritor João Pedro Porto, desaguou nos álbuns "Mar Aberto" (2015) e "Terra do Corpo" (2016).

A estes dois álbuns junta-se agora "Sol de Março", que conclui uma trilogia que foi acontecendo à medida que as canções surgiram.

Segundo Pedro Lucas, o escritor João Pedro Porto, convidado para escrever as letras do segundo álbum, deu o empurrão para o terceiro registo.

"Tínhamos abordado o lado da emoção e do romantismo no primeiro disco, o lado do corpo e da fisicalidade no segundo. Então ele sugeriu que faria sentido ir para um terceiro tomo que abordasse a parte da razão, da cabeça, do pensamento. E assim foi", recordou Pedro Lucas.

O músico descreve "Sol de Março" como sendo o mais luminoso dos três álbuns, por contraste com o primeiro "bastante mais escuro" e com o segundo "mais cru e mais direto".

"Conceptualmente acabam por ser três partes de um puzzle de uma pessoa, uma personagem humana que está no centro desta trilogia que é composta por corpo, pensamento e emoções. E essa personagem, sem que as coisas sejam estanques, foca-se em cada uma dessas partes", disse.

As canções foram escritas sobretudo por Pedro Lucas, a partir das letras de João Pedro Porto, e Carlos Medeiros foi "mantendo uma distância crítica, porque é o intérprete".

A dinâmica do projeto português, com Carlos Medeiros em São Miguel e Pedro Lucas em Lisboa, inclui ainda os músicos Augusto Macedo (baixo, teclado) e Ian Carlo Mendoza (bateria, percussão) como elementos fixos no grupo.

A eles, para este "Sol de Março" juntaram-se ainda Rui Souza (teclados), Antoine Gilleron (trompete), Gonçalo Santos (bateria), João Hasselberg (contrabaixo) e Tine Grgurevic (teclados).

"Sol de Março" será apresentado na íntegra no dia 29 no Teatro Ibérico, em Lisboa, mas o alinhamento terá também algumas canções dos restantes discos.

"A parte com piada é sair das quatro paredes [do estúdio] e mostrar às pessoas, dar um fôlego novo às canções, porque vão-se transformando", disse Pedro Lucas.

"Sol de Março" é ainda o primeiro álbum que Pedro Lucas fez integralmente a viver em Portugal, onde regressou em 2016 depois de ter vivido e trabalhado uma temporada em Copenhaga.

Antes de Medeiros/Lucas, Pedro Lucas tinha o projeto O Experimentar Na M'Incomoda, no qual explorava o cancioneiro tradicional dos Açores, reinterpretando-o à luz da música urbana, muito por culpa precisamente de Carlos Medeiros.

"O Carlos fez com que me voltasse a interessar pela cultura dos Açores. É mais liberto e jovial do que eu em algumas coisas. Vai-me abrindo a memória para coisas que me vou esquecendo", disse Pedro Lucas.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.