Malaysia Airlines envia cartas de despedimento a 20.000 funcionários

Malaysia Airlines envia cartas de despedimento a 20.000 funcionários

 

Lusa/AO Online   Internacional   1 de Jun de 2015, 08:49

Cerca de 20.000 funcionários da companhia aérea Malaysia Airlines receberam cartas de despedimento no âmbito dos planos de reestruturação traçados para criar uma transportadora rentável, informam os media locais.

 

Contudo, dois terços dos trabalhadores – aproximadamente 14.000 – devem receber, nos próximos dias, uma nova oferta de emprego da transportadora que irá substituir a companhia aérea de bandeira malaia.

Entre os restantes 6.000 – um terço do total – aqueles que estão há menos de dez anos na empresa vão ser compensados com um mês de salário por cada ano de trabalho, enquanto aos que se encontravam em funções há mais de uma década vai ser oferecida uma indemnização de mês e meio por ano.

Todos têm até ao próximo dia 12 de junho para decidirem se aceitam ou recusam a oferta por parte da Malaysia Airlines.

Mohammad Faiz Azmi, diretor-executivo da PricewaterhouseCoopers (PwC), foi o responsável por assinar os despedimentos após ter sido nomeado, há uma semana, administrador da Malaysia Airlines.

O novo administrador vai dirigir o processo de dissolução da Malasysia Airlines e constituição da nova companhia, com data prevista para 01 de setembro.

A nova empresa – em que vão trabalhar dois terços dos funcionários da anterior – terá uma dimensão mais maneável e as suas operações centrar-se-ão fundamentalmente na Malásia.

O diretor executivo da Malaysia Airlines, o alemão Christoph Mueller, disse em comunicado que as operações vão continuar com normalidade, sem que a transição afete os voos previstos e reservas efetuadas.

A Malaysia Airlines somava vários exercícios com perdas financeiras, quando dois acidentes aéreos a colocaram numa delicada situação em 2014.

A 08 de março do ano passado, um avião, com o código de voo MH370, com 239 pessoas a bordo desapareceu quando realizava a rota Kuala Lumpur-Pequim.

Quatro meses depois, uma aeronave da mesma companhia (voo MH17), com 298 pessoas a bordo, foi abatida por um míssil no leste da Ucrânia.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.