Mais de 60% dos norte-americanos critica falta de medidas para prevenir tiroteios

Mais de 60% dos norte-americanos critica falta de medidas para prevenir tiroteios

 

Lusa/AO online   Internacional   20 de Fev de 2018, 14:35

Mais de seis em cada 10 norte-americanos consideram que nem o Presidente nem o Congresso têm feito o suficiente para prevenir tiroteios, embora a maioria culpe a saúde mental mais que o acesso a armas de fogo.

Segundo um inquérito de opinião revelado hoje pelo jornal The Washington Post e a cadeia ABC, 62 por cento das pessoas consideram que o Presidente norte-americano, Donald Trump, não está a tomar as medidas apropriadas face ao tiroteio, na semana passada, numa escola da Florida, que causou 17 mortos e uma dezena de feridos.

A rejeição é ainda superior em relação ao trabalho do Congresso norte-americano, com 77% dos inquiridos a criticar a atuação deste órgão legislativo.

No entanto, a maioria das pessoas – 58% - sublinhou que a principal causa destes tiroteios maciços é a incapacidade de identificar e tratar a doença mental.

Em contrapartida, só 28% responsabilizou as fracas de leis de controlo de acesso a armas.

Esta segunda-feira, Trump admitiu um possível reforço do controlo de armas, ao dar o seu apoio a um projeto de lei bipartidário sobre o tema, que pretende aumentar a eficácia da base de dados nacional sobre antecedentes criminais e assim impedir que as pessoas ali incluídas possam comprar armas.

No seu discurso à nação após o massacre da semana passada, perpetrado por um ex-aluno, de 19 anos, prometeu “encarar o difícil problema da saúde mental” e evitou referir-se a algum controlo das armas.

O inquérito do Washington Post/ABC, que teve a participação de 808 adultos entre 15 e 18 de fevereiro, tem uma margem de erro de 4%. Foi realizado após o tiroteio em Parkland (Florida), que reabriu o debate sobre o controlo das armas nos Estados Unidos.

O presumível autor do massacre, Nikolas Cruz, é um jovem com problemas mentais que abriu fogo contra os seus antigos colegas, com uma arma semiautomática que comprou legalmente.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.