Madeira investe 1,6 milhões de euros para recuperar levadas e veredas


 

Lusa / AO online   Economia   4 de Set de 2010, 18:38

O Governo Regional da Madeira vai investir 1,6 milhões de euros na recuperação de 14 levadas e veredas, destruídas por consequência direta dos incêndios deste verão e do temporal de 20 de fevereiro.

Em declarações à agência Lusa, o diretor regional de Florestas, Rocha da Silva, revelou que “existe uma candidatura a fundos comunitários no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural para a Região Autónoma da Madeira, estando desta forma para breve o início da respetiva empreitada de recuperação de vinte percursos pedonais recomendados”.

O programa europeu financia um milhão e duzentos mil euros, “vindo os restantes quatrocentos mil euros do orçamento regional”, especificou.

Dos vinte e sete percursos pedonais que fazem parte da lista de levadas e veredas recomendadas pela Região Autónoma da Madeira, dez encontram-se encerrados por questões de segurança, em consequência direta dos incêndios florestais.

A Madeira é muito procurada pelas famosas levadas e veredas que, desenhadas nas escarpas da ilha, são uma das principais atrações para os turistas que a visitam.

Os constrangimentos, que neste momento acontecem em grande parte deles, são alvo de um cuidado especial por parte das entidades regionais.

O encerramento desses caminhos leva a Direcção Regional de Florestas a informar a Direcção Regional do Turismo e o Serviço Regional de Protecção Civil, para que “a informação dos percursos que se encontram encerrados seja difundida por estas entidades governamentais, de forma a chegar aos turistas presentes na ilha”, afirmou.

O responsável reconhece que ainda não pode adiantar datas para a reabertura de todos os percursos, “pois em alguns deles, os que foram afetados pelos incêndios, ainda se verifica a queda de pedras e derrocadas”, relembrou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.