Líder do PSD/Madeira diz que o Estado português está "contaminado" pelo centralismo

Líder do PSD/Madeira diz que o Estado português está "contaminado" pelo centralismo

 

LUSA/AO Online   Regional   22 de Jan de 2017, 17:49

O líder do PSD/Madeira e presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, disse hoje, no Funchal, que o Estado português "está contaminado" por uma "cultura imperial", o que faz com que seja o país "mais centralista" da Europa.

"Volvidos 40 anos da implantação da autonomia [na Madeira], Portugal continua a ser o Estado mais centralista da Europa e, por consequência, temos o país com mais acentuados desfasamentos e desequilíbrios territoriais, económicos e sociais no contexto europeu", afirmou Albuquerque no encerramento do XVI Congresso do PSD/Madeira, onde foi reconduzido na liderança. O líder social-democrata vincou que o Estado português "está contaminado por uma cultura política herdada do seu passado imperial", que persiste em concentrar em Lisboa "todos os poderes e todos os recursos". Miguel Albuquerque sublinhou que a "soberba" do Estado é visível até nos domínios fundamentais, nomeadamente ao nível dos direitos constitucionais da região autónoma, que disse serem "reiteradamente violados". Segundo afirmou, esta violação dos direitos tem, por vezes, a cobertura do Tribunal Constitucional, como no caso da sobretaxa do IRS que continua a ser cobrada aos madeirenses. O presidente do PSD/Madeira salientou, por outro lado, que a autonomia política da região "não está completa" e "não é suficiente", face ao "centralismo acentuado" do Estado português. "A principal lição que temos de retirar é que a autonomia política não é uma dádiva, nem é sequer uma conquista irreversível e definitiva", disse, sublinhando que esta exige uma "renovada vontade de luta" por aquilo a que o PSD e o povo madeirense têm direito. No discurso de encerramento do congresso, Miguel Albuquerque evocou os gastos e as despesas do Estado, como os 14 mil milhões de euros que "derreteu" na banca, ao passo que a região autónoma fez um "brilhante trabalho" de administração orçamental, sendo que a dívida pública da Madeira é atualmente inferior à do país. "Não queremos favores. Reivindicamos apenas que os direitos cívicos e o direito ao desenvolvimento sejam assegurados", disse, realçando que é tempo de se acabar com as "arrogâncias" e os "provincianismos neocoloniais".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.