Líder do PS/Açores diz que ambiente político se caracteriza por "oposição radical e extremista"

Líder do PS/Açores diz que ambiente político se caracteriza por "oposição radical e extremista"

 

LUSA/AO Online   Regional   29 de Jul de 2017, 21:37

O líder do PS/Açores, Vasco Cordeiro, afirmou que o ambiente político na região “se caracteriza por uma oposição radical, extremista, agressiva” e disse esperar que após o período de férias seja possível retomar a “serenidade”.

“Um ambiente que se caracteriza por uma oposição radical, extremista, agressiva no relacionamento que deveria ser um relacionamento institucional com os diversos níveis de poder e nas instituições da nossa região”, afirmou Vasco Cordeiro. Vasco Cordeiro, que é também presidente do Governo dos Açores, falava aos jornalistas em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, à margem da reunião do Secretariado Regional do PS/Açores. Questionado se se estava a referir ao abandono por parte do PSD, CDS-PP, BE e PPM da Comissão de Economia do parlamento regional, o presidente do PS/Açores declarou que “este é um dos exemplos”, mas não o único. “Quem acompanha, por exemplo, os plenários da Assembleia Legislativa Regional percebe aquilo que estou a referir”, adiantou, considerando que o combate político deve pautar-se por “um grande respeito institucional e por uma grande capacidade” de nunca se “perder de mente aquilo que é o essencial”, que não são os partidos políticos, mas “as açorianas e os açorianos”. O dirigente socialista salientou que esta é a “postura que o Partido Socialista procura seguir”, acreditando que “todos os partidos políticos estarão interessados” em que a situação na Comissão Parlamentar de Economia “se reconduza à normalidade”. “Espero que também este interregno agora que se vai viver possa contribuir para que seja possível, com toda a serenidade, com toda a tranquilidade, encontrar uma solução para esta situação que, simultaneamente, respeite aqueles que são os direitos individuais de cada um e o interesse coletivo, nomeadamente da nossa região”, acrescentou. À pergunta se a presidente da Assembleia Legislativa Regional, Ana Luís, deveria ter tido uma palavra neste diferendo antes de o parlamento ir de férias, Vasco Cordeiro respondeu que direcionar para a presidente da assembleia esta questão não lhe parece o “essencial naquilo que são as razões em presença”, mas espera que todos possam contribuir para uma solução. Os partidos da oposição abandonaram este mês a Comissão de Economia que, contudo, pode funcionar só com os sete deputados do PS. A comissão é composta por 13 deputados com direito a voto (do PS, PSD, CDS-PP e BE) e um deputado, do PPM, sem direito a voto. A decisão surgiu depois de o presidente desta comissão permanente, o socialista Miguel Costa, eleito pelo Pico, ter anunciado uma queixa-crime contra os partidos da oposição que o acusaram de abuso de poder e de mover influências junto da ex-administração da unidade de saúde desta ilha. Sobre as eleições autárquicas, o presidente do PS/Açores explicou que o “grande objetivo” do partido é “definir bons projetos, boas soluções, boas medidas" para dar resposta aos desafios com que se confronta a população. “Acreditamos que ultrapassámos com sucesso o desafio de ter boas lideranças e boas equipas”, adiantou, referindo que as candidaturas estão a trabalhar em ter bons projetos, sendo que o segundo objetivo é o PS “ser capaz de explicar às pessoas o mérito dessas propostas” e, nesse sentido, a esperança de que, “reconhecendo esse mérito”, o partido possa ter a confiança do eleitorado.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.