Política

Jardim diz que TGV deve avançar mas novo aeroporto pode esperar

Jardim diz que TGV deve avançar mas novo aeroporto pode esperar

 

Lusa/AO online   Regional   1 de Mai de 2010, 21:19

Alberto João Jardim declarou-se hoje "contra as políticas orçamentalistas" europeias e dos Governos, ainda que não defenda um "défice descontrolado", e considera que em matéria de investimentos públicos o TGV deve avançar, mas o aeroporto pode esperar.

"Defendo investimentos, sou a favor de um TGV, já não sou a favor de um aeroporto novo. O aeroporto pode esperar", disse à Lusa o presidente do Governo Regional da Madeira, no final do sorteio do quadro principal do Estoril Open de ténis, que decorreu esta tarde no complexo desportivo do Jamor.  Alberto João Jardim defendeu que "qualquer política passa pelas acessibilidades" e criticou aquilo que chamou de "política orçamentalista" do Banco Central Europeu e dos Governos, responsabilizando-a por se ter chegado à atual situação de crise financeira. "O equilíbrio orçamental está a dar mau resultado na Europa e temos que ter presente que essa ideia de as próximas gerações não pagarem as infraestruturas que esta geração fez é um disparate, porque elas vão beneficiar das novas infraestruturas", defendeu João Jardim. Questionado sobre se considera que Portugal tem condições para continuar a financiar-se no exterior para assegurar a realização dos investimentos públicos anunciados, o presidente do Governo Regional da Madeira disse simplesmente "não sei responder". Presente no complexo desportivo do Jamor no dia dedicado pela organização do Estoril Open à Madeira, que há cerca de dois meses sofreu uma forte devastação provocada por chuvas torrenciais, Alberto João Jardim agradeceu o gesto e referiu que a reconstrução na ilha decorre como previsto.  "Toda a gente tem cumprido aquilo em que se empenhou, a começar pelo Governo da República, a União Europeia, está toda a gente a cumprir. E quando cada um está a cumprir a sua missão não tenho a mínima crítica a fazer. Tenho antes de me congratular, porque neste país é possível trabalhar a sério quando se quer", disse.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.