Investigadora portuguesa estuda impacto de transmissão de pensamento à distância


 

Lusa/AO Online   Nacional   25 de Mai de 2016, 08:33

Uma investigadora portuguesa está a desenvolver, em Lisboa, um estudo sobre a transmissão à distância, entre duas pessoas, de um pensamento com uma intenção específica e o possível impacto em quem recebe.

 

"Este é um trabalho sobre intenção humana, apesar dos desenvolvimentos recentes sobre a intenção na área da robótica, por exemplo, em que a intenção é usada para comandar braços robóticos ou exoesqueletos em pessoas com mobilidade reduzida", explicou à Lusa a investigadora Anabela Ventura.

Este estudo foca-se "só em pessoas e no impacto nelas", sublinhou.

O estudo pretende avaliar como se "comporta o cérebro humano quando emite, à distância, sem uma interação direta, a intenção e como reage o cérebro de quem recebe essa intenção", acrescentou a investigadora, que concluiu o mestrado no Canadá na área das neurociências e desenvolvimento humano.

Este projeto recebeu uma bolsa de investigação da Fundação Bial e é também parte do projeto de investigação realizado no âmbito do doutoramento de Anabela Ventura em Neurociências na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

A investigadora recorreu ao 'reiki', uma técnica de relaxamento que envolve intenção.

Esta técnica, reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS), procura trazer uma sensação de bem-estar a quem recebe, podendo ser utilizada em presença ou à distância.

No estudo "Intenção e Sincronicidade" é analisado - através do envio de 'reiki' - o perfil eletroencefalográfico de emissores e recetores, ou seja, "o que acontece na atividade cerebral quando há uma intenção", mesmo que à distância.

"Será que afetamos os outros? E como é que isso se traduz em atividade cerebral", explicou a investigadora, que regista a atividade neurológica em cinco grupos de participantes voluntários.

A atividade elétrica cerebral é medida em 'joules' e 'hertz', nas áreas frontal, temporal, parietal e occipital, utilizando o sistema de medição internacional 10-20, um sistema usado regularmente em neurociências para estudos clínicos e experimentais.

"A nossa atividade cerebral exprime-se em diferentes bandas elétricas divididas em frequências, situando-se o intervalo mais usado nas medições entre os sete e os 50 hertz", disse.

Licenciada em Comunicação Social, foi a curiosidade pela área comportamental que levou Anabela Ventura a estudar psicologia e a enveredar pela investigação em neurociências e desenvolvimento humano: "Gosto de perceber os mecanismos por detrás dos comportamentos humanos".

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.