INE revê em alta crescimento do PIB para 0,9% no 2º trimestre

INE revê em alta crescimento do PIB para 0,9% no 2º trimestre

 

Lusa/AO Online   Economia   31 de Ago de 2016, 11:29

A economia portuguesa cresceu 0,9% no segundo trimestre face ao período homólogo e 0,3% em relação ao trimestre anterior, segundo o INE, que reviu hoje em alta em 0,1 pontos percentuais cada um dos valores.

 

No dia 12 de agosto, na estimativa rápida, o Instituto Nacional de Estatística (INE) tinha divulgado que o Produto Interno Bruto (PIB) tinha crescido 0,8% entre abril e junho deste ano em relação aos mesmos meses do ano passado e que tinha aumentado 0,2% face ao primeiro trimestre deste ano.

Nas Contas Nacionais Trimestrais relativas ao segundo trimestre deste ano hoje publicadas, o INE refere que, neste período, a economia portuguesa "registou uma variação homóloga de 0,9% em termos reais (taxa idêntica à observada no trimestre anterior)".

Numa análise por componentes, o INE indica que "o contributo positivo da procura interna para a variação homóloga do PIB diminuiu significativamente, passando de 1,7 pontos percentuais no primeiro trimestre de 2016 para 0,6 pontos percentuais", o que ficou a dever-se a "um crescimento menos intenso das despesas de consumo final e uma redução mais expressiva do investimento".

Já a procura externa líquida "passou de um contributo negativo de 0,7 pontos percentuais no primeiro trimestre de 2016 para um contributo positivo de 0,2 pontos", traduzindo "a desaceleração mais acentuada das importações de bens e serviços em comparação com a das exportações de bens e serviços".

Comparando o desempenho do segundo trimestre com o do trimestre anterior, o INE aponta que "o PIB aumentou 0,3% em termos reais (0,2% nos dois trimestres anteriores)".

A procura interna contribuiu para este comportamento da atividade económica em 0,2 pontos percentuais (valor que compara com um contributo para a variação em cadeia do PIB de 0,6 pontos no trimestre anterior), "observando-se um ligeiro crescimento das três componentes" (consumo privado, consumo público e investimento).

A procura externa líquida explica 0,1 pontos percentuais da variação em cadeia do PIB no segundo trimestre (depois de ter tido um contributo negativo de 0,4 pontos nesta variação entre janeiro e março), "verificando-se um crescimento das exportações de bens e serviços mais intenso do que o das importações de bens e serviços".

O consumo privado aumentou 1,7% no segundo trimestre deste ano em termos homólogos, ou seja, uma variação "0,9 pontos percentuais abaixo da taxa de variação observada no trimestre precedente", o que se deveu "sobretudo à desaceleração do consumo privado em bens não duradouros e serviços, que passou de uma variação homóloga de 1,7% no trimestre anterior para 1%".

Em comparação com os primeiros três meses deste ano, verificou-se que o consumo privado aumentou 0,1% entre abril e junho, depois de ter crescido 1% no trimestre anterior.

No que se refere ao investimento, esta componente do produto diminuiu 3% no segundo trimestre face ao período homólogo, depois de ter recuado 1,2% em volume no trimestre precedente. Após ter recuado 0,7% em cadeia no primeiro trimestre, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) total voltou a cair 0,1% no segundo trimestre.

O INE indica que esta queda do investimento "refletiu, em larga medida, a diminuição da FBCF, que passou de uma variação de -1,7% no primeiro trimestre para uma taxa de -3,1%" no segundo.

As exportações de bens e serviços em volume "passaram de uma variação homóloga de 3,1% no primeiro trimestre para 1,5% no segundo trimestre", um comportamento que resultou do "crescimento menos intenso da componente de bens e da redução das exportações de serviços".

As importações, por seu lado, aumentaram 0,9% em termos homólogos, "desacelerando face ao crescimento de 4,6% observado no trimestre precedente", devido ao "abrandamento das importações de bens" e à "diminuição da componente de serviços".

Em relação ao trimestre anterior, entre abril e junho, "as exportações totais aumentaram 1,3% em volume (variação em cadeia de 0,1% no 1.º trimestre), enquanto as importações aumentaram 1,1% (1% no trimestre anterior)".

Os dados hoje divulgados pelo INE contam com informação adicional face à que estava disponível aquando da publicação da estimativa rápida, esclarecendo a entidade estatística que esta "nova informação de base" implicou revisões em alta nas taxas de variação homóloga e em cadeia do PIB "particularmente devido à incorporação de informação adicional sobre os deflatores das importações e das exportações".

Além disso, "foi incorporada informação revista sobre a balança de pagamentos que se traduziu numa pequena revisão da composição do crescimento do PIB no 1.º trimestre de 2016", verificando-se agora "um menor crescimento do consumo privado de residentes e de um maior crescimento das exportações de serviços face ao então apurado".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.