Ilha do Pico quer mais consultas médicas de especialidade


 

Lusa/AO Online   Regional   17 de Mai de 2016, 11:05

O Conselho de Ilha do Pico, quer mais consultas médicas de especialidade, de acordo com um memorando enviado ao Governo Regional que inicia na quarta-feira uma visita estatutária àquela ilha.

 

“O Conselho de Ilha manifestou a sua preocupação e gostaria de ver ampliado o número de consultas de especialidade na ilha, de forma a minimizar a deslocação de utentes a outras ilhas e, principalmente, reduzir os tempos de espera elevados nalgumas áreas de especialidade”, refere o documento ao qual a agência Lusa teve hoje acesso e que será abordado na reunião que o executivo açoriano vai ter com este organismo na quarta-feira à noite.

Os conselhos de ilha são organismos consultivos que integram autarcas e representantes dos sindicatos, associações empresariais e outras entidades ligadas ao ambiente, pescas ou agricultura.

A deslocação ao Pico, a segunda maior ilha do arquipélago em área e cuja paisagem da cultura da vinha é Património Mundial desde 2004, cumpre o Estatuto Político-Administrativo da região, segundo o qual o Governo Regional deve visitar cada uma das nove ilhas pelo menos uma vez por ano e que o Conselho do Governo reúna na ilha visitada.

Na área das acessibilidades, os conselheiros consideram urgente a melhoria do lado nascente ao porto da Madalena, reclamando a pavimentação, vias adequadas para peões, iluminação e proteção da zona costeira, e pedem informação sobre as medidas para solucionar o problema da acumulação de algas que acarreta maus cheiros no porto velho na sede deste concelho.

“Atendendo às características da ilha do Pico, julga-se necessário proceder a um maior investimento no melhoramento dos caminhos de acesso às explorações agrícolas”, lê-se no documento, que enumera algumas das obras necessárias na área da agricultura e ambiente, e classifica, por outro lado, “insuficientes os investimentos previstos” para a disponibilização de água à lavoura.

Sobre os estaleiros navais da Madalena, com “importância económica” para o Pico, o Conselho de Ilha congratula-se por o “processo de concessão ter registado uma empresa concorrente”, mas quer explicações sobre a tramitação do processo e quando se prevê iniciar a reabilitação das instalações.

Ao Governo Regional, liderado por Vasco Cordeiro, o Conselho de Ilha expressa, também, preocupação com o atraso no transporte marítimo de mercadorias entre o continente e a região, devido à greve dos estivadores, e questiona sobre eventuais “medidas de exceção” para ultrapassar esta situação.

O Conselho de Ilha recomenda, ainda, esforços para a criação de um regime de isenção de imposto sobre bebidas espirituosas, “considerando a relevância turística, económica e cultural da atividade” no Pico.

Entre outras matérias, o memorando solicita informação sobre vários portos e espaços museológicos, e pede que a ampliação da escola secundária da Madalena, para albergar a educação pré-escolar, seja “considerada na próxima legislatura”.

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.