Hospitais continuam com nutrição deficiente


 

Lusa/AO On line   Nacional   9 de Mai de 2010, 08:37

A Inspecção-Geral das Actividades em Saúde concluiu que metade dos hospitais visitados não reviu, pelo menos uma vez por semana, o plano de tratamento alimentar dos doentes desnutridos e que a grande maioria não dispõe de utensílios adequados.

A ação da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS), divulgada no seu relatório de actividades relativo a 2009, teve como objetivo verificar a alimentação dos doentes internados nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e envolveu 92 unidades hospitalares.

Das unidades hospitalares analisadas, 29 situam-se na área da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, 29 na ARS Centro, 27 na ARS Norte, cinco na ARS do Alentejo e dois na ARS Algarve.

A IGAS identificou e avaliou os mecanismos adotados pelos estabelecimentos hospitalares para “garantirem e adequarem a alimentação ao estado de saúde de cada doente internado e de assegurarem a sua efetiva nutrição no momento das refeições”, refere o relatório.

Em termos globais, o grau de cumprimento das recomendações efetuadas no âmbito da ação foi “positivo”, pois 92 por cento das unidades hospitalares que compõem o universo executaram-mas acima de 50 por cento.

No entanto, “a maioria (51 por cento) não cumpriu a recomendação de rever e ajustar, pelo menos uma vez por semana, o plano de tratamento nutricional dos doentes desnutridos ou em risco de desnutrição”, salienta a IGAS.

Apenas 28 por cento dos hospitais avalia o volume de sobras por tabuleiro de forma “permanente e sistemática” para garantir a eficácia do registo da ingestão alimentar por doente (e não apenas nas situações em que o risco nutricional já se encontra diagnosticado) e garante que o volume de nutrientes não absorvidos é devidamente anotado no processo clínico do doente.

“A grande maioria não dispõe, nem adquiriu utensílios adequados à alimentação de doentes com necessidades especiais”, salienta a IGAS.

A média de nutricionistas/dietistas é de três profissionais por cada unidade inquirida, sendo que nas regiões do Norte e Centro existe um profissional por cada 100 camas, enquanto no Sul esse número desce para 71, o que demonstra que esta região dispõe de mais 30 por cento de profissionais nesta área, acrescenta.

Segundo informação obtida pela IGAS junto dos responsáveis pela área da Nutrição, os médicos e enfermeiros ainda não estavam suficientemente sensibilizados para as questões relacionadas com a alimentação dos doentes.

“Durante o processo de admissão dos doentes, o pessoal médico, por vezes, demonstra-se relutante em promover a avaliação analítica do estado nutricional e o pessoal de enfermagem, apesar do equipamento disponível, tem sido resistente quanto à necessidade de pesagem dos doentes”, sublinha.

Segundo a IGAS, apenas três em cada dez hospitais visitados avalia o risco nutricional no momento da admissão dos doentes.

Na generalidade, as entidades dispõem dos meios técnicos necessários para assegurar a implantação das boas práticas nutricionais e o cumprimento das normas aplicáveis quanto à higiene e segurança alimentares.

No entanto, alguns dos serviços de nutrição padecem de limitações em termos de recursos humanos e logísticos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.