Grupo informal de cidadãos quer mobilizar Aveiro para o uso da bicicleta

Grupo informal de cidadãos quer mobilizar Aveiro para o uso da bicicleta

 

Lusa / AO online   Nacional   25 de Out de 2015, 10:33

Aveiro, cidade onde apareceram de forma pioneira as bicicletas de utilização gratuita (BUGA), tem agora um grupo informal de cidadãos interventivo para fazer vingar a ideia da utilização daquele meio de transporte.

 

Denominado Ciclaveiro, o grupo faz recomendações e propostas a entidades para facilitarem o uso da bicicleta, critica projetos e sugere alternativas, mas não se fica pelo discurso: organiza eventos para por jovens e menos jovens a pedalar e voluntariamente assegura duas ciclo-oficinas por mês, ao serviço dos praticantes.

"Somos um grupo informal de cidadãos voluntários e estamos abertos a quem quiser participar e dar sugestões", explica à Lusa Rui Igreja, um dos entusiastas do Ciclaveiro que integra pessoas de diferentes grupos profissionais, com idades entre os 25 e os 50 anos, com a bicicleta como paixão comum.

Um dos próximos eventos do Ciclaveiro é a realização da tertúlia "a bicicleta e o comércio local", no dia 30 de outubro, nas instalações da Santa Casa da Misericórdia, para debater com os comerciantes as relações de proximidade com a bicicleta, vantagens e necessidades.

A iniciativa, apoiada pela Associação Comercial de Aveiro, segue-se ao sucesso de uma outra que terminou na quarta-feira: o concurso de montras "Aveiro e a bicicleta", com 21 montras participantes.

Atentos à cidade que existe e à que se vai projetando, o Ciclaveiro vai além da sensibilização dos vários setores sociais e tem também um papel interventivo.

"Ainda recentemente contactámos a Câmara por causa do estacionamento para bicicletas de dois centros de saúde que estão a ser construídos, cujo tipo é considerado por várias normas desadequado. Propusemos estacionamentos diferentes e obtivemos uma resposta do presidente da câmara, manifestando o seu acordo", exemplifica Rui Igreja.

Com a autarquia e as forças de segurança pretende que seja dada maior atenção à segurança dos ciclistas, adiantando como sugestão a limitação de 30 quilómetros/hora em algumas zonas do centro da cidade.

Junto da empresa Infraestruturas de Portugal (sucessora da Refer na gestão das ferrovias), o grupo pretende obter a concordância em instalar calhas nas escadas de acesso às plataformas, facilitando quem já utiliza o comboio para transportar a bicicleta.

O Ciclaveiro é também já um apoio importante para os utilizadores, com a realização periódica de oficinas onde se ajudam a reparar bicicletas e se trocam ensinamentos, as cicloficinas que ocorrem mensalmente no Mercado Manuel Firmino e na Universidade de Aveiro.

Fomentar o uso da bicicleta desde a infância é também o objetivo do grupo, que realiza no dia 14 de novembro o "Minirrodas", para crianças até aos 10 anos, que vão percorrer nas suas bicicletas e triciclos o percurso pedonal entre o Mercado Manuel Firmino e o Cais da Fonte Nova.

"O objetivo é promover a bicicleta no seio das famílias. Vamos fazer um pequeno passeio com jogos, brindes, música e animação, numa festa para os miúdos que finalizará com um piquenique", revela Rui Igreja.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.