Governo espanhol prepara privatização da concessionária aeroportuária AENA

Governo espanhol prepara privatização da concessionária aeroportuária AENA

 

Lusa/AO Online   Economia   31 de Dez de 2012, 13:42

O Governo espanhol pretende abrir o capital do operador aeroportuário AENA a privados no próximo ano, disse a ministra do Desenvolvimento, Ana Pastor, em entrevista ao jornal El Mundo.

 

“A nossa intenção é que investidores privados possam fazer parte do capital da AENA no próximo ano”, afirmou a ministra espanhola, em entrevista publicada hoje pelo jornal francês, citada pela France Presse.

A AENA - Aeropuertos Españoles y Navegación Aérea, que opera um total de 73 aeroportos, dos quais 47 em Espanha, acumula dívida no valor de 14 mil milhões de euros, de acordo com a France Presse.

Em outubro, a gestora aeroportuária espanhola anunciou um programa de rescisões voluntárias que afetou mais de 1.600 dos seus 15.000 funcionários.

O programa do Governo anterior, do socialista José Luis Rodríguez Zapatero, previa a privatização dos aeroporto de Madrid (Barajas) e de Barcelona (El Prat), mas o projeto foi adiado e depois abandonado, após a derrota nas eleições legislativas de novembro.

Na passada quinta-feira, o Governo português decidiu vender a ANA – Aeroportos de Portugal ao grupo francês Vinci, o que permitiu o encaixe para o Estado de 3.080 milhões de euros.

O chefe do Governo conservador espanhol, Mariano Rajoy, declarou na passada sexta-feira esperar um ano de 2013 "muito duro" para o país, em recessão, mas afirmou esperar que a situação económica melhore no segundo semestre.

"A economia espanhola vai continuar em recessão ainda por um algum tempo, mas esperamos que comece a recuperar na segunda metade do ano", acrescentou Rajoy, que voltou a afastar a possibilidade de um resgate financeiro internacional.

A quarta economia da zona euro entrou em recessão no final de 2011. No terceiro trimestre deste ano, o Produto Interno Bruto (PIB) de Espanha tinha recuado 0,3% relativamente ao trimestre anterior, já em contração de 0,4%.

De acordo com as previsões do Banco de Espanha, a recessão deverá manter-se nos últimos três meses do ano e ameaça prolongar-se em 2013.

Para reduzir o défice público, o país aprovou um orçamento para 2013, que prevê recuperar 39 mil milhões de euros, através de aumentos de impostos e poupanças.

O programa de austeridade histórico é cada vez mais contestado pelos economistas, por ser visto como um travão à retoma e que é regularmente denunciado nas ruas de Espanha em manifestações populares.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.