Governo dos Açores insatisfeito com Santander Totta face à redução de financiamento às empresas


 

Lusa/AO Online   Regional   14 de Mar de 2017, 11:01

O Governo dos Açores anunciou hoje que demonstrou insatisfação ao Conselho de Administração do banco Santander Totta, na sequência da redução "inexplicável" do financiamento às empresas.

“A dissolução do Banif e a sua integração no banco Santander Totta teve também implicações significativas no financiamento das empresas que importa não esquecer”, afirmou o vice-presidente do Governo Regional, Sérgio Ávila, na abertura do debate do Plano e Orçamento dos Açores para 2017, na Assembleia Legislativa Regional, na Horta, ilha do Faial.

Sérgio Ávila referiu que “o Banif, pelas suas origens, tinha uma significativa quota de mercado na região e constituía-se como um fator muito importante de dinamização da atividade empresarial regional, não tendo sido, é bom lembrar, a sua atividade com as empresas dos Açores e nos Açores que originou qualquer problema que levou à sua extinção”.

“A sua integração num banco internacional alterou significativamente a sua relação com as empresas açorianas, reduzindo inexplicavelmente o financiamento às empresas, criando restrições adicionais ao crédito, aumentando os encargos às empresas açorianas, isto para já não falarmos da situação dos chamados lesados do Banif”, adiantou o governante.

Segundo Sérgio Ávila, “estas atitudes não são compatíveis na visão do Governo dos Açores com o papel que deve ter” na economia regional “uma instituição que tem tão expressiva quota de mercado, tendo o Governo dos Açores já demonstrado "a sua insatisfação ao Conselho de Administração desse banco da mesma forma que já fez também em relação à situação dos lesados”.

“Esta manifestação de insatisfação visa ser mais um contributo e incentivo à dinamização do financiamento às empresas açorianas por parte da banca, particularmente de uma instituição financeira que assumiu a responsabilidade de gerir uma estrutura bancária que teve e tem um papel essencial na economia regional e cuja ação presente não tem permitido valorizar esse papel e esse legado”, acrescentou o vice-presidente do Governo Regional.

Em 20 de dezembro de 2015, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif – Banco Internacional do Funchal, com a venda de parte da atividade bancária ao Santander Totta, por 150 milhões de euros, e a transferência de outros ativos - incluindo 'tóxicos' - para a nova sociedade veículo.

Em fevereiro seguinte, o presidente da Comissão Executiva do Santander Totta disse, nos Açores, após uma audiência com o presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro, que estava a ser estudada a situação dos clientes do ex-Banif subscritores de obrigações subordinadas, que totalizam 3.500 em todo o país, com valores de 263 milhões de euros.

O Banif era o sétimo maior grupo bancário português e líder de mercado nos Açores e na Madeira.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.