Governo dos Açores estuda cooperação entre Portugal e China na área dos laticínios

Governo dos Açores estuda cooperação entre Portugal e China na área dos laticínios

 

Lusa/AO Online   Regional   27 de Set de 2016, 19:36

O presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, disse hoje que estão a decorrer negociações para promover a cooperação entre Portugal e China na área dos laticínios e que espera resultados positivos.

“São vários assuntos que têm estado em cima da mesa, um dos quais tem a ver com questões relativas a laticínios. Há um trabalho que está em curso, que estamos a desenvolver e que esperamos que possa chegar a um bom porto”, disse, em resposta a uma questão sobre a visita do primeiro-ministro português à China.

Vasco Cordeiro falava, em declarações aos jornalistas, na base aérea n.º 4, nas Lajes, depois de se despedir do primeiro-ministro chinês, Le Keqiang, que fez uma escala de dois dias na ilha Terceira, nos Açores, numa viagem entre Cuba e a China.

Questionado sobre o balanço da visita da comitiva chinesa à ilha Terceira, o presidente do Governo Regional reiterou que se tratou apenas de uma escala técnica.

“Foi uma oportunidade de mostrar ao senhor primeiro-ministro da China vários pontos de interesse aqui na ilha Terceira e referir outros nos Açores. Desse ponto de vista, penso que foi uma visita que cumpriu os seus objetivos”, frisou.

Na segunda-feira à noite, após uma reunião com o primeiro-ministro chinês, à sua chegada à ilha Terceira, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, disse que o encontro serviu para preparar a visita do primeiro-ministro português à China, em outubro, revelando que nessa ocasião será possível “avançar nos trabalhos que estão em curso” e “assinar já alguns acordos”.

Questionado sobre essa visita, Vasco Cordeiro não quis fazer comentários, mas disse que os assuntos que interessam aos Açores, no âmbito de possíveis parcerias com a China, já foram “apresentados e transmitidos”.

“Eu não vou comentar a visita do senhor primeiro-ministro português à China. Espero que ela corra tão bem quanto correu esta escala técnica do senhor primeiro-ministro da China aqui nos Açores”, salientou.

Questionado sobre a possibilidade de serem discutidas também nesse encontro parcerias na área do mar, em que se especula que haja interesse da China nos Açores, Vasco Cordeiro não rejeitou essa hipótese.

“Pode ser uma das hipóteses, mas é uma matéria que necessita de ser trabalhada, naturalmente”, adiantou.

O primeiro-ministro chinês chegou à ilha Terceira na segunda-feira à noite e teve uma reunião de poucos minutos com o ministro dos Negócios Estrangeiros e com o presidente do Governo Regional, na base aérea nº4, nas Lajes, tendo ainda assistido a um concerto ao ar livre, em Angra do Heroísmo.

A comitiva chinesa visitou hoje de manhã vários pontos turísticos na ilha Terceira, mas o acompanhamento da comunicação social só foi permitido no primeiro momento, não havendo encontros ou visitas durante a tarde na agenda oficial.

Le Keqiang partiu de regresso a Pequim, por volta das 17:00 (hora local, mais uma em Lisboa).

Em julho de 2014, esteve também na ilha Terceira o presidente da República Popular da China, Xi Jinping, durante cerca de oito horas, numa escala entre o Chile e Pequim, em que aproveitou para se reunir com o então o vice-primeiro-ministro de Portugal, Paulo Portas.

Desse encontro saiu o anúncio de que a China iria certificar 31 empresas portuguesas, que estariam em condições para exportar leite e laticínios para o mercado chinês.

Já em 2012, tinha estado na ilha Terceira o primeiro-ministro chinês da altura, Wen Jiabao, acompanhado por uma comitiva de mais de 100 pessoas, numa escala técnica entre o Chile e a China, que demorou cerca de cinco horas.

Em junho deste ano, o presidente do Governo Regional dos Açores, recebeu, em Ponta Delgada, o ministro do Mar da China, Wang Hong, que destacou o potencial dos Açores na área do mar.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.